Ciência

Cientistas ensinam ratos a brincar de esconde-esconde e eles amam a brincadeira

por: Vitor Paiva

Seja conhecida como pique, pique-esconde, esconde-esconde ou algum outro nome regional, o fato é que essa é uma brincadeira universal, capaz de superar diferenças de língua, nacionalidade, idade: em qualquer lugar do mundo, crianças se escondem e contam até certo número enquanto outros se escondem – para depois serem procurados. Já é comprovado que essa brincadeira traz diversos benefícios para o desenvolvimento do cérebro e mesmo do corpo, e tal universalidade parece, no entanto, ir ainda mais além, e superar até mesmo o limite da espécie: até os ratos gostam de brincar de esconder, e a ciência com isso aproveita para estudar o comportamento desses animais.

O estudo, realizado por cientistas da Universidade Humboldt, em Berlim, nasceu depois que o neurocientista Michael Brecht assistiu vídeos no Youtube nos quais humanos brincavam de esconde-esconde com ratinhos. Outros experimentos já haviam realizado brincadeiras com os animais, mas pela complexidade do esconde-esconde, o vídeo chamou a atenção do neurocientista. Para realizar o experimento, Brecht criou um “parque” de 30 metros quadrados com abrigos, caixas transparentes e caixas opacas para servirem de esconderijos – além de lugares para a cientista Annika Stefanie Reinhold também se esconder.

Seis ratinhos participaram da “brincadeira”, que começou com Annika se escondendo. Cada vez que os ratos a encontravam ganhavam recompensas, e então os papeis se invertiam. Ao longo de duas semanas de experimento, cinco dos seis ratos aprenderam a brincadeira, tanto se escondendo quanto procurando – e respeitando as regras. A complexidade dos papéis, estratégias, regras e possibilidades foi apontam para a própria complexidade do comportamento dos animais – que foi analisada através de testes neurais, indicando quais áreas dos cérebros eram atividades para cada camada da brincadeira.

Curiosamente, o experimento também comprovou que a participação ia muito além da mera busca por recompensas: assim como outros animais mamíferos, os ratos saltavam de alegria durante o esconde-esconde, e ainda procuravam por novos esconderijos depois de serem encontrados em um local “fácil”. O desenvolvimento do experimento pode ser visto no vídeo abaixo.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Estágios iniciais do Parkinson são descobertos e indicam avanços em direção à cura