Inspiração

Copa dos Refugiados chega a São Paulo neste fim de semana

por: Vitor Paiva

Para integrar, promover protagonismos, revelar realidades e promover a integração contra o preconceito e a xenofobia, nada melhor do que utilizar um dos maiores símbolos culturais do Brasil para receber os refugiados de braços abertos: o futebol. Para promover esse encontro global em solo nacional, será realizado a Copa dos Refugiados e Imigrantes, reunindo mais de 200 jogadores amadores em 20 de cada seleção representando seus países de origem.

A Copa dos Refugiados irá trazer atletas de Guiné-Bissau, Tanzânia, Líbano, Mali, Venezuela, Camarões, Coréia do Sul, República Democrática do Congo, Togo, Colômbia, Haiti, Gâmbia, Angola, Nigéria, Níger e Benin. A Copa já passou por Brasília, Curitiba e Recife, com o tema “Reserve um minuto para ouvir uma pessoa que deixou o seu país”. O evento foi criado e organizado pela ONG África do Coração com o apoio nacional da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), da Organização Internacional para as Migrações (OIM), San José Clube, Ponto e Asav.

A abertura do evento acontecerá no próximo dia 4, às 14hs no Museu do Futebol, na Rua Charles Miller s/n, no Pacaembu, com a presença do prefeito João Dória e do secretário municipal de esportes e lazer, Carlos Bezerra Jr. Os jogos começarão no sábado, dia 5. As quartas-de-final serão no domingo, com as semifinais no dia 13 e a grande final no domingo, dia 20. No dia 6, o público poderá visitar uma feira cultural com música, dança, roda de conversa, exposição de produtos, comidas típicas, trancistas e muito mais.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
César Tralli chora ao encontrar professora de infância 35 anos depois