Ciência

Este engenheiro se recusou a ficar rico com uma descoberta que pode salvar milhões de vidas

por: Yuri Ferreira

O engenheiro e pesquisador da UFRJ, Gustavo Dias Azevedo viralizou nas redes sociais após recusar uma grande oferta de dinheiro pelas descobertas de tese doutorado que beneficiaria a vida de milhares de mulheres.

O tweet de Gustavo viralizou

O engenheiro químico apresentou o trabalho que apresentava a utilização de micropartículas para matar tumores vascularizados, como o mioma. A indústria farmacêutica, ao conhecer as descobertas de Gustavo, logo foi atrás da tese do jovem para produzir o novo tratamento de maneira industrial e ser detentora do mecanismo de combate.

Gustavo recusou. “Ao aceitar a proposta, duas coisas aconteceriam: 1) O monopólio de produção das bolinhas seria exclusivo da empresa. Como ainda não há patente, eu não ganharia nada por isso; 2) Porque a empresa iria possuir o monopólio de produção, o preço seria definido exclusivamente por ela“, disse em seu Twitter.

Segundo o pesquisador, graças ao baixo custo de produção das micropartículas, a tecnologia deveria ser facilitada ao SUS (Sistema Único de Saúde). Gustavo disse que com um baixo investimento seria possível realizar a embolização de todo o nosso país.

Além disso, o pesquisador adicionou uma face importante do estudo. Ele seria uma mão na roda para as mulheres, que, em casos de miomas, são sempre diagnosticadas à histerectomia (remoção do útero). Segundo Gustavo, boa parte da comunidade médica – especialmente os cirurgiões responsáveis pela histerectomia – recusariam o novo tratamento.

“No Brasil, a maioria das mulheres que desenvolvem miomas são negras e pobres e sequer tem um diagnóstico adequado. Ou seja, quem poderia pagar por essas bolinhas? As mesmas que podem pagar por um plano de saúde.”, adicionou o engenheiro e professor de Química.

– Ginecologia feminista e alternativa empodera mulheres com auto conhecimento

“Graças à universidade pública, eu pude pesquisar aquilo que fazia meu coração bater mais forte, colocando meus princípios em primeiro lugar. Hoje, meu sonho é que essas bolinhas cheguem ao SUS para que todas e todos tenham acesso a esse tratamento.”

Dá uma olhada na história dele no Twitter (e também na reação do povo):

1.

2.

3.

4.

5.

Publicidade

Foto: Reprodução/Twitter


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @yurifen.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Como ela salvou a vida do marido infectado pela ‘pior bactéria do mundo’