Inovação

Kaiku: criação de pigmentos à base de frutas e vegetais quer mudar a arte para sempre

por: Vitor Paiva

Da natureza para as telas, tecidos, papeis, paredes e superfícies, a manipulação de cores em tintas e pigmentos sempre foi uma grande amiga de nossos olhos e apreços estéticos na mesma medida em que se tornou uma inimiga literalmente mortal de nossa saúde e do meio-ambiente. Feitas atualmente a partir de derivados do petróleo, as cores que utilizamos, das artes aos produtos em geral, podem causar problemas respiratórios e ferir a camada de ozônio. Para resolver esse paradoxo entre beleza e veneno, o designer sueco Nicole Stjernswärd desenvolveu o Kaiku, uma máquina e um sistema de criação de pigmentos a partir de sobras e restos vegetais, como plantas e alimentos.

Através do Kaiku, as tintas e pigmentos desenvolvidos são efetivamente orgânicas, sem provocarem mal algum ao planeta e à nossa saúde. O método é simples e eficaz: primeiro os vegetais são fervidos com água por um período entre 1 e 2 horas.

A água, já tingida pela cor do alimento ou planta original, é então separada e colocada em um reservatório na máquina Kaiku, com um tubo de extração inserido dentro do reservatório.

Através de uma bomba o líquido sai do reservatório para um atomizador – que aquece e vaporiza o líquido original, transformando-o em instantes em um pó colorido e pronto para ser utilizado como pigmento.

O pigmento orgânico do Kaiku pode ser utilizado em tudo que as tóxicas tintas industrias são hoje utilizadas – incluindo cartuchos de impressoras.

Além de não ferir o meio-ambiente e nossa saúde, o Kaiku recicla os alimentos e combate desperdícios, e com uma vantagem estética especial: como as cores são retiradas diretamente dos vegetais, cada pigmento é fundamentalmente único, levando as variações das plantas e alimentos originais para a tonalidade final.

O futuro das tintas é o futuro da humanidade, e ele retorna à natureza, nossa inspiração original, para coloridamente trabalhar com ela – e não mais contra ela.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Escola baiana há mais de 20 anos usa meditação para melhorar concentração de alunos