Ciência

Má conduta profissional pode indicar infidelidade nos relacionamentos, aponta estudo

por: Redação Hypeness

A má conduta profissional pode estar conectada à infidelidade no relacionamento. É o que indica um estudo recente realizado em colaboração entre a Universidade do Texas e a Universidade Emory.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores relacionaram arquivos regulatórios e registros policiais de mais de 11 mil participantes.

Depois dessa etapa, as pessoas foram buscadas através do aplicativo de infidelidade conjugal Ashley Madison, que teve sua base de dados vazada em 2015.

Intitulado “Infidelidade pessoal e conduta profissional em 4 ambientes“, o levantamento foi publicado no dia 30 de julho através da revista científica PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America).

A maioria dos participantes que tiveram seus registros analisados eram homens, assim como todos os usuários do aplicativo.

“Estudamos a conexão entre comportamento pessoal e profissional, introduzindo o uso de um site de infidelidade conjugal como uma medida de conduta pessoal. Policiais e consultores financeiros que usam o site de infidelidade são significativamente mais propensos a se envolver em má conduta profissional.”

“Os resultados são semelhantes para os réus da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC), acusados de crimes de colarinho branco. Por fim, as empresas com CEOs ou CFOs que usam o site têm duas vezes mais chances de se envolver em má conduta corporativa”, detalha o resumo do artigo.

Leia também: O tom de voz pode entregar uma traição conjugal, segundo este estudo

Publicidade

Foto em destaque: Pablo Heimplatz


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Ter um cachorro pode te ajudar a viver mais, aponta estudo