Entrevista Hypeness

‘O poder está fazendo com que as pessoas normais estejam em guerra’, diz Roger Waters ao lançar doc

por: Janaina Pereira

Foi no dia em que completou 76 anos que o músico inglês Roger Waters lançou no Festival de Veneza seu documentário Roger Waters Us + Them, que chega aos cinemas brasileiros em 3 de outubro. O filme, em que Waters divide a direção com o cineasta Sean Evans, apresenta a sua última turnê, que causou controvérsias quando passou pelo Brasil.

Durante show em São Paulo, antes das eleições presidenciais do ano passado, o músico mostrou seu apoio ao #EleNão, campanha feita na internet contra a eleição do então candidato Jair Bolsonaro. As vaias e as ameaças ao cantor começaram ali, mas ele seguiu em uma longa turnê pelo país e, mesmo depois de Bolsonaro eleito, manteve seu posicionamento.

Era de se esperar que o fundador da lendária banda de rock Pink Floyd falasse de política em suas entrevistas durante o Festival. A veia roqueira é tão forte quanto aquela que faz de seus shows movimentos politizados contra o fascismo e a ultra direita.

“Vivemos tempos difíceis. O poder está fazendo com que as pessoas normais sempre estejam em guerra”, comenta o músico.

Roger Waters fala do presidente Jair Bolsonaro e de outros políticos que, segundo ele, estão unidos contra o planeta. “Bolsonaro está destruindo o planeta, ao lado de Donald Trump e Boris Johnson. É um grupo de políticos que faz parte de uma classe rica e eles sabem como controlar os pobres, escravizar a maioria da população e deixar as pessoas morrerem em barcos mediterrâneos”.

A opinião política e as causas que Roger Waters apoia dão o tom de seu documentário, que é um registro de um dos concertos da mais recente turnê do músico – que leva o mesmo nome do filme. A partir da defesa aos refugiados,   Roger Waters Us + Them apresenta a música, mas também as opiniões do artista. Sucessos como Wish You Were Here e Another Brick in The Wall abrem caminho para temas como meio ambiente, sexualidade e gênero.

Waters diz que todos que assistirem ao filme vão entender a mensagem.

“Talvez as pessoas não entendam minhas músicas, mas vão entender, vendo o documentário, que ali tem um conteúdo político e humanitário”.

Para o cantor, o populismo que cresce no mundo está afetando diretamente essas questões. “Não é só no Brasil, é na Europa, na América Central… O populismo avança por toda a parte e se não nos opusermos a essas forças neofascistas, não haverá nada a passar para as novas gerações “, finaliza.

 

 

Publicidade

Créditos: Foto 1: La Biennale di Venezia


Janaina Pereira
Jornalista e publicitária. Especializada em cultura - principalmente cinema - e gastronomia. Desde 2009 cobre os principais festivais da sétima arte, como Veneza, Cannes, San Sebastian, Berlim, Rio e Mostra Internacional de São Paulo. Participou dos livros "Negritude, Cinema e Educação" (escrevendo sobre o filme "Preciosa", de Lee Daniels) e "Guia de Restaurantes Italianos" (escrevendo sobre 45 restaurantes ítalo-brasileiros de São Paulo).

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Ryan Reynolds e elenco de ‘La Casa de Papel’ estarão na ‘Comic Con’