Inspiração

Duas mulheres selam noivado na arquibancada e dão bico na homofobia do futebol

por: Yuri Ferreira

Estava 1 a 0 para o Grêmio já no intervalo do clássico contra o Internacional nesse domingo (3). As câmeras de TV e do telão do estádio apontaram para a arquibancada e foi registrado o lindo momento em que Juliana pediu a mão de sua namorada, Nicolli, em casamento. O pedido deu sorte e o Grêmio venceu por 2 a zero seu maior rival.

O pedido de casamento de Juliana à Nicolli

O pedido de casamento viralizou na internet e foi um dos momentos mais bonitos no futebol de elite do Brasil nos últimos tempos. Em um ambiente tão hostil como o esporte no Brasil, é muito difícil que pessoas LGBT tenham espaço e visibilidade dentro e fora de campo. Entretanto, a atitude de Juliana e Nicolli – de celebrar o seu amor de maneira pública – é um símbolo de resistência e também de que estamos avançando para que isso aconteça.

Em entrevista ao UOL, Juliana contou como foi o processo: “Me veio essa ideia depois de um jogo, e fui atrás pra ver se já tinha acontecido um pedido de casamento na Arena. Vi que sim, liguei pra área de comunicação e me pediram pra enviar um e-mail. Prontamente me retornaram e iniciamos as tratativas de quando seria e como. Ficamos semanas em contato até a confirmação de todos os detalhes”, contou.

Juliana ainda afirmou que seu maior sonho era aparecer no beijo do intervalo. Mas que o preconceito iria barrá-la: “Eu sou fanática pelo Grêmio! A Juliana nunca tinha ido aos jogos antes de namorarmos, e esse ano já a levei a três! E o desejo sempre foi o mesmo: aparecer na câmera do ‘beijo do intervalo’, mas nunca achei que fosse acontecer, até por ser um casal de mulheres, né?!”, adicionou.

Durante 2019, diversas medidas tem sido tomadas para rechaçar a homofobia dentro dos estádios e o futebol vai, a passos lentos e demorados, começando a entender a mudança que o mundo todo vem passando nos últimos anos.

– Champions Ligay, o primeiro campeonato de futebol gay no Brasil, quer vencer homofobia no esporte

O Bahia, nosso querido tricolor de Salvador, fez uma campanha contra a homofobia na Fonte Nova, seu estádio, colocando bandeiras LGBT em suas bandeirinhas de escanteio no jogo contra o Fortaleza. O jogo foi válido pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Campanha do Bahia na Fonte Nova

“A homofobia mata, oprime, deprime e provoca muitas feridas. Talvez essa realidade explique o afastamento das pessoas LGBTQI do ambiente do futebol. O Bahia veste três cores, mas está ao lado de todas as outras. Respeitamos as regras, mas ignoramos as linhas, os limites… É preciso dar um passo à frente, evoluir e conviver em sinergia”, afirmou o clube em um manifesto públicos.

Fora do país, a Premier League, principal liga nacional do mundo, já fez protestos contra a homofobia e inclusive fez uma rodada especial com “Rainbow Laces” – cadarços de arco-íris -, em que diversos jogadores utilizaram as cores LGBT em seu fardamento para combater o preconceito dentro do esporte mais popular do mundo.

Veja o pedido de Juliana à Nicolli:

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @yurifen.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Conheça o primeiro advogado indígena do Tocantins aprovado na OAB