Diversidade

Primeiro Papai Noel negro de shoppings cariocas faz sucesso em Madureira

por: Vitor Paiva

O Natal é a festa de todos, e por isso em seus símbolos é fundamental que o 25 de dezembro se torne uma celebração inclusiva. E o Madureira Shopping, no Rio de Janeiro, deu para isso o primeiro passo através do “Natal De Todas as Cores”,  trazendo o ator Aylton Lafayette para se tornar o primeiro bom velhinho negro em shoppings cariocas.

A chegada do Papai Noel no Madureira Shopping foi celebrada no último domingo, dia 10, e além do impacto simbólico de trazer um Papai Noel negro pela primeira vez, o feito é uma superação importante para o próprio Aylton, em história pessoal que ilustra a importância da inclusão: o ator se formou pela Escola de Papai Noel em 2005, mas essa será a primeira vez que ele efetivamente trabalhará como o bom velhinho em um shopping.

“Nossa campanha SouMadu valoriza as pessoas reais, que são de Madureira ou que encontram aqui o seu lugar de respeito, acolhida e pertencimento”, afirmou Andreia Vidal, gerente de marketing do shopping.  “Gostaríamos de celebrar no Natal esse mesmo espírito, empoderando nosso público e mostrando que representatividade importa. Ficamos muito felizes de, nesse momento do ano em que as esperanças são renovadas, poder exaltar a diversidade e mostrar que ela pode nos unir”, concluiu.

Além de uma vasta e impactante decoração nataliana, o “Natal de Todas as Cores” oferecerá uma série de atividades divertidas para toda a família – e o trabalho inspirador de Aylton, representando a magia do Natal em seu trabalho como o Papai Noel mas também em sua própria história.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Projeto que educa homens por violência doméstica diminui reincidência para 2%