Debate

‘Se você ganha 30 mil, a vida não fica mais fácil’, eis novo ‘classe média sofre’ sobre custo de vida em SP

por: Yuri Ferreira

O colunista Adriano Silva, do UOL TAB, publicou um texto chamado ‘Quanto custa viver bem em SP?‘. O artigo aborda o custo de vida na capital paulista, planilhando gastos de uma vida de classe média na principal cidade do país. A conclusão do autor é que seria impossível viver com uma renda familiar menor do que 57 mil reais por mês no Brasil.

Será que 30 mil reais tá difícil?

A frase final do texto mostra a desconexão com a realidade. “Se você ganha 3 mil reais numa grande capital brasileira, a vida é dura. Se você ganha 30 mil, a vida não fica muito mais fácil”.

Cerca de 104 milhões de brasileiros vivem com uma renda per capita de 413 reais por mês. O desemprego de 14% da população se mantém e boa parte dos trabalhadores se voltaram para a informalidade, com um crescimento de 500% no número de ambulantes nas ruas. Os dados são da PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra Domiciliar Contínua).

– 10 fotos chocantes revelam a extrema desigualdade entre ricos e pobres ‘parede com parede’

Esses 413 reais de renda per capita são pouco mais da metade do que o artigo acredita ser o preço de uma TV a cabo com internet. Segundo o autor, gastos com supermercado e quitanda chegam na média de 4 mil reais por mês. O que o texto nos mostra e evidencia é, na verdade, a grande pergunta que o autor preferiu não fazer no texto: o que é viver bem?

Pra maior parte dos brasileiros, acesso a saneamento básico, alimentação de qualidade e moradia já seria suficiente. Entretanto, a ‘vida dura‘ de 30 mil reais por mês pode não comportar um Kindle, jantares em restaurantes em 5 estrelas e viagens constantes para o exterior.

À frente, o bairro de Paraisópolis, uma das favelas mais pobres de SP. Ao fundo, Morumbi, um dos bairros mais caros de toda a capital paulista.

A desigualdade no Brasil bateu recorde em 2019, como apontado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Entretanto, a classe média ainda sofre. Só no Rio de Janeiro, a extrema pobreza aumentou 47% entre 2014 e 2018 e afeta mais de 600 mil pessoas na capital carioca.

“Passamos por uma crise forte, iniciada em 2014, quando as taxas de desemprego aumentaram. Esse quadro não foi revertido, e não é possível enxergar um horizonte promissor para os próximos anos”, explicou Carlos Antônio Costa Ribeiro Filho, pesquisador do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UERJ), ao jornal O GLOBO.

– ONU: Aquecimento global vai empurrar 120 milhões para a pobreza até 2030

Os 30 mil impossíveis reais para sobreviver poderiam alimentar 1 mil pessoas por dia em um restaurante popular da capital paulista. Ou manter mais de 24 crianças de Ensino Fundamental em uma escola particular. Quem sabe até seja o valor de 30,6 salários mínimos na atual cotação.

E sim, a vida continua dura para quem ganha 3 mil reais por mês. Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), o salário mínimo no Brasil deveria ter sido de R$4.277,04 em março desse ano, para cobrir todas as despesas que um ser humano tem no país.

A desigualdade é um problema crescente em nosso país. Parte do processo de mudança desse sistema é a compreensão de que a desigualdade existe e que a renda é um dos pontos centrais da vida no Brasil. Reconhecer os privilégios de ganhar mais de trinta salários mínimos parece o básico.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @yurifen.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Ele bebeu 12 xícaras de café em 5 minutos e garante que passou a sentir o cheiro das cores