Debate

Segredo dos relacionamentos abertos de sucesso é revelado por estudo científico

por: Yuri Ferreira

A cada dia mais os relacionamentos não-monogâmicos estão crescendo. As constantes mudanças acerca da maneira como nos relacionamos e a quebra de padrões do que é um relacionamento vêm alterando de forma profunda os conceitos do que é “certo” e “errado” no jogo dos afetos. A ciência, então, já abriu os olhos para identificar como nós lidamos com diversos tipos de arranjos afetivos.

Hoje a gente vai falar do estudo ‘Sexual need fulfillment and satisfaction in consensually nonmonogamous relationships’, em tradução livre ‘Satisfação sexual em relações não monogâmicas consensuais’. A pesquisa busca entender como as pessoas envolvidas em relacionamentos se sentem sexualmente – frustradas ou felizes -, de acordo com o tipo de arranjo que se tem com seu parceiro.

Relacionamentos não monogâmicos têm crescido ao redor do mundo

A pesquisa conversou com 1700 pessoas que responderam um questionário anônimo, falando sobre sobre a sua vida sexual. Os estudos mostraram que pessoas com relacionamentos consensuais não monogâmico, ou seja,  que transavam com seu parceiro e com outras pessoas de maneira declarada, duravam mais juntas do que qualquer outro grupo analisado.

– Casamento sem machismo: uma reflexão sobre tradições e o amor

Foram analisadas também pessoas em relacionamentos parcialmente abertos – em que os participantes não tem consensos estabelecidos e diferem em vontade de ficar com outras pessoas -, em relações monogâmicas “puras” e pessoas que tinham relações extraconjugais.

Segundo os dados, pessoas monogâmicas e pessoas com relacionamentos consensualmente não-monogâmicos eram as mais satisfeitas sexualmente e afetivamente. Em contraponto, pessoas que mantinham relações extraconjugais não consensuais – gente que bota chifre – eram as menos satisfeitas com a sua vida sexual.

Moral da história? Ou vai, ou racha. Mesmo que seja muito difícil ter essa conversa, é importante que ambas as partes tenham tudo bem acordado. Esse é o segredo que a pesquisa revela: definir consensualmente os limites para um namoro é um passo importante para manter a confiança em seu parceiro e reduzir ciúmes, inseguranças e traições.

– Acordos e mais acordos: como definir abertura em um relacionamento aberto?

Pessoas com relações não monogâmicas acordadas também tinham maior tendência a serem heteroflexíveis (bissexuais ou LGBT). 80% dos participantes da pesquisa eram brancos e dois terços tinham entre 20 e 29 anos. O tempo médio de namoro entre os que estavam em uma relação era de 4 anos e meio. A pesquisa foi comandada pela Universidade de Rochester, de Nova York.

 

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @yurifen.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Desabafo de Diego Hypólito sobre tortura diz muito sobre profissionalização infantil