Diversidade

Alta de 67% do casamento homoafetivo aponta que diversidade é caminho sem volta

por: Yuri Ferreira

Em 2013, quando o casamento LGBT foi autorizado pelo Conselho Nacional de Justiça, muita gente preconceituosa ficou aflita. Era o fim da família tradicional! Na verdade, não. Cada vez mais, o casamento LGBT foi crescendo e mais famílias puderam ser formadas graças a essa simples resolução (que infelizmente ainda não virou lei).

Dados recentes do IBGE apontaram que os casamentos LGBT cresceram de 2013 pra cá. Nos dois anos anteriores, observamos um crescimento ainda mais expressivo. O número de casais LGBT que oficializaram suas uniões foi de 5,4 mil em 2017 para 9,6 mil em 2018.

Aumento demonstra que o casamento LGBT veio pra ficar

Um dado curioso apontado no levantamento do IBGE para 2018 também foi o período em que essas uniões homoafetivas foram feitas. Em 2018, os casamentos LGBT se mantiveram à taxa de 500 ao mês até outubro (mês das eleições). Após o resultado definitivo das urnas, a taxa foi para 967, em novembro e chegou aos 3000 casamentos civis entre pessoas do mesmo sexo em dezembro.

– Siri se casa com Alexa para celebrar parada LGBT+ na Áustria

Devido a instabilidade que a resolução do CNJ garante, podendo ser derrubada por medida provisória, projeto de lei o mesmo resolução do STF, muitos LGBTs decidiram acelerar sua união.

“Muitos casais formalizaram suas uniões com medo de que em breve isso não fosse mais possível”, afirmou advogada Andressa Regina Bissolotti dos Santos ao G1.

O crescimento acumulado no período foi de 61,8%. A maior alta foi o casamento entre mulheres (64,21%), mas os homens também se casaram mais (58,7%). Os casamentos no geral – somando casais LGBT e casais héteros – se reduziram na proporção total, efetuando-se uma queda de 1,6% em relação ao ano anterior.

– Madrinhas usam cores da bandeira LGBT em casamento de noivos brasileiros

Aumento do casamento entre mulheres foi mais expressivo

Até setores em tese seriam conservadores poderiam até se opor à união LGBT, mas não é sempre assim. A gente já contou aqui a história da Igreja Evangélica que promoveu casamento coletivo entre pessoas LGBT no Rio Grande do Norte. Aliás, foi no Nordeste que a maior taxa de crescimento de uniões se deu: 85,2% entre 2017 e 2018.

Esses dados apontam que o casamento entre pessoas do mesmo sexo é muito importante e que ele veio para ficar. Mesmo que grupos preconceituoso tentem reduzir o seu valor ou tentem qualificar os LGBTs como ‘promíscuos‘, a realidade mostra que essa população só deseja compartilhar o amor à sua maneira e formar famílias como qualquer outro casal.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Climatempo inclui arco-íris em previsão e abraça diversidade contra homofobia