Inovação

Companhia aérea cria rede de restaurantes de ‘comida de avião’ em terra firme

por: Vitor Paiva

Em princípio a comida de avião não lembra o sabor e a qualidade de nossos restaurantes preferidos, muito menos a delícia de uma boa comida caseira – a não ser, é claro, para aqueles que podem pagar uma passagem de executiva ou primeira classe. Há, no entanto, um certo prazer em receber e degustar um prato quente em pleno voo, mesmo não se tratando exatamente de alta culinária. Talvez pela vulnerabilidade de se estar a 11 mil metros do chão em velocidade de quase 900 km/h, quando todo carinho e cuidado é bem-vindo, o fato é que a comida de avião possui seu charme, e não é incomum encontrar quem confessa efetivamente gostar dessas refeições. É nesse público que a Air Asia, companhia área de baixo custo da Malásia, está apostando para abrir uma rede de restaurantes pelo mundo.

Sim, a ideia é mesmo essa: servir, em terra, as exatas refeições que a AirAsia serve em seus voos. E a aposta não é timida, pois os planos são de abrir nos próximos cinco anos mais de 100 restaurantes em todo o mundo. “Nós percebemos um apetite significativo pelo menu de nossos aviões para além dos voos, então essa é nossa resposta para essa demanda”, diz Catherine Goh,  diretora geral da empresa. O primeiro restaurante da companhia, intitulado Santan, já foi inaugurado em um shopping em Kuala Lampur, com pratos sendo vendidos por um preço médio de US$ 3, e oferecendo todo o cardápio dos voos, além de pratos típicos locais.

O restaurante Santan, em Kuala Lampur

A novidade é parte de uma transformação maior por parte do marketing da AirAsia, a maior companhia aérea de baixo custo do continente, de se tornar uma marca alinhada a um estilo de vida – e os pratos asiáticos são a isca para tal projeto: arroz de frango, arroz de coco com chilli e frango, peixe com abacaxi, noodle de frango inasal com arroz de alho e bolo onde-onde de sobremesa são algumas das delícias que o restaurante já oferece – sem aquela sensação inodora e insípida que muitas vezes marcam as comidas de avião, promete a empresa, já que o desconforto do voo não servirá, nesse caso, como tempero.

“Eu tenho uma companhia aérea, e agora finalmente tenho um restaurante”, disse Tony Fernandes, CEO da AirAsia. “Nosso sonho é abrir um restaurante no Times Square, em Nova York”.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
McDonald’s tumultua mercado com novo hambúrguer à base de plantas