Diversidade

Educadora é primeira indígena doutora da história da UnB

por: Yuri Ferreira

A gente sabe que as universidades são ambientes bastante elitistas, que não necessariamente contam com a representatividade e nem com a inclusão social que nos é garantida constitucionalmente. Entretanto, ao passar dos anos e com incentivos por parte de políticas afirmativas, o cenário vem mudando aos poucos (ainda tem muito o que se fazer), mas começamos a ver novidades no cenário acadêmico.

Uma das boas notícias é que o Departamento de Antropologia da UnB aprovou o doutorado de Eliane Boroponepa Monzilar, 40 anos, filha do povo umutina, da região do Mato Grosso, próximo à fronteira com a Bolívia. A agora doutora foi congratulada graças à sua tese ‘Aprender o conhecimento a partir da convivência: uma etnografia indígena da educação e da escola do povo Balatiponé-Umutina’.

– Sábios indígenas e afrodescendentes irão ministrar disciplina em universidade gaúcha

“Na universidade, não sou somente a Eliane. Represento um povo e isso é uma grande responsabilidade, não só por ser indígena, mas por ser mulher”, afirmou a pesquisadora sobre sua vivência dentro do espaço acadêmico.

Hoje, Eliane é professora em sua comunidade e em julho desse ano se tornou doutora. Ela reconhece as dificuldades que o sistema acadêmico impõe e como a sociedade, no geral, pode invisibilizar as origens e raízes de um ser humano e de um povo como um todo.

– Negros são maioria pela primeira vez em universidades. IBGE aponta efeito das cotas

“Só fui me entender enquanto indígena e pertencente a um povo quando ingressei na graduação. A população umutina foi praticamente exterminada, fisicamente e culturalmente, por todo o processo de colonização”, adiciona.

A doutora não teve oportunidade de fazer sua educação formal em uma escola indígena umutina e, após concluir sua graduação em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Mato Grosso, ingressou na pesquisa de seu próprio povo, quebrando um tabu do estudo antropólogico, que prefere uma pesquisa partindo de um especialista ‘estrangeiro’.

– 500 e tantos anos depois Brasil tem primeira reitora negra em universidade federal

“Consegui como resistência estar perpassando esse espaço, que é muito sistemático e radical, cobra muito de você. Ao estar na academia, pude dialogar e mostrar que existem outros saberes que a universidade precisa ter conhecimento. Antes, nossos povos eram objetos de pesquisa, hoje podemos nos pesquisar”, celebra a doutora.

Publicidade

Fotos: Reprodução/Facebook


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @yurifen.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mamie Lang: falecida aos 111 anos, ela testemunhou e lutou contra horrores do racismo nos EUA