Inspiração

Ele superou Medina e se tornou primeiro nordestino campeão mundial de surfe

20 • 12 • 2019 às 15:23
Atualizada em 20 • 12 • 2019 às 15:24
Yuri Ferreira
Yuri Ferreira   Redator É jornalista paulistano e quase-cientista político. É formado pela Escola de Jornalismo da Énois e conclui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo. Já publicou em veículos como The Guardian, The Intercept, UOL, Vice, Carta e hoje atua como redator aqui no Hypeness desde o ano de 2019. Também atua como produtor cultural, estuda programação e tem três gatos.


Surfe pode não ser a paixão brasileira que passa todo dia na televisão aberta, ou como a Fórmula 1 era há tempos atrás, mas é inegável que o nosso país tem tido cada vez mais atletas de destaque nas pranchas e o esporte só cresce no Brasil.

Hoje o nome da vez é Ítalo Ferreira, nordestino de Baía Formosa, ao sul de Natal, Rio Grande do Norte. O surfista potiguar levou pra casa o topo do Circuito Mundial da World Surfer League, um dos principais campeonatos da categoria. Ele foi o primeiro nordestino campeão mundial de surfe, se juntando a Adriano de Souza e a estrela Gabriel Medina.

– Imagens que captam o início do surfe nos mergulham em nostalgia e no desejo de surfar

Ítalo comemora o título do WSL Championship Tour no Havaí

Ítalo se mantém no Rio Grande do Norte, ao contrário de boa parte dos surfista que se mundam para lugares como Califórnia ou Havaí para enfrentar ondas específicas. O nordestino se mantém firme no Rio Grande do Norte, com treinos específicos para as suas águas, e com uma rotina forte comandada por seu treinador Luiz Pinga.

“Foi um trabalho longo. Ele vem amadurecendo bastante, entendendo cada vez mais a importância do que é ser um atleta; a importância que envolve várias coisas, preparação física, estar bem psicologicamente, entender cada vez mais de prancha, do equipamento, desenvolver trabalho em relação para cada etapa do tour. A maturidade e equilíbrio é o ponto chave”, afirmou o treinador de Ítalo Ferreira ao UOL Esporte.

– Documentário de 2014 já revelava potencial gigante do bicampeão do surfe Gabriel Medina

O potiguar teve uma trajetória que já o guiava para esse sucesso. Campeão de vários torneios de juniores e campeão brasileiro em 2014, Ferreira entrou no circuito mundial surpreendendo por sua alta regularidade e performance. Em 2019, nas ondas de Pipeline do Havaí, ele se sagrou campeão do mundo e trouxe mais uma glória pro Brasil.

Desafio de limpeza de praias leva vencedor para Mundial de Surfe na África do Sul

“O mais importante em um esporte individual é fazer o cara sempre estar em busca do equilíbrio. Não pode nunca parar. A evolução é constante, o nível técnico é muito alto, todo mundo é bom”, concluiu Luiz.

Veja a comemoração de Ítalo no Instagram:


Publicidade

Canais Especiais Hypeness