Arte

Garota de 11 anos é primeira protagonista negra do balé de NY

por: Yuri Ferreira

O Quebra-Nozes’, peça de balé baseada nas composições de Tchaikovsky está há mais de 50 anos em cartaz na Broadway. E depois de tanto tempo, temos uma grande conquista para a representatividade em um grande clássico de um dos maiores centros culturais de todo o mundo.

A dançarina Charlotte Nebres, de 11 anos, será a principal na coreografia comandada pela School of American Ballet. A bailarina, que é filha de uma mãe de Trinidad e Tobago e um pai Filipino será a primeira principal não-branca após 49 produções anuais da peça. E isso representa muito sobre um mundo que tem cada vez mais buscado representatividade.

– Levou 200 anos, mas finalmente criaram sapatilhas de balé para pessoas negras

Charlotte vai interpretar Maria em ‘O Quebra-Nozes’

– Ela pintou suas sapatilhas por 11 anos e agora ganhou uma com a cor de sua pele

“É incrível não apenas representar a School of American Ballet, mas também representar todas as nossas culturas. Pode haver uma criança na plateia assistindo e pensando ‘Ei, eu também posso fazer isso’”, disse Charlotte em entrevista ao The New York Times.

Outro papel de destaque na apresentação é o de Tanner Quirk, jovem de ascendência chinesa que vai apresentar como príncipe. A substituta de Charlotte é  Sophia Thomopoulos, que também faz parte da comunidade oriental e grega. Dessa maneira, as três principais crianças na produção também são diversas racialmente.

– A bailarina Baderna e a história de resistência por trás dessa palavra

Muito além da representatividade, Charlotte foi escolhida pelos seus dons de atuação e por sua ótima habilidade como dançarina. Com diversas bailarinas negras em sua lista de referências, a nova protagonista de ‘The Nutcracker’ teve a oportunidade de poder ser também inspiração para outras crianças que desejam seguir o caminho da dança.

“Quando busco alguém para fazer a Marie, eu procuro principalmente alguém com habilidades de atuação. Tem que ser alguém que comande o palco e que tenha confiança e espontaneidade suficientes para lidar com qualquer situação”, afirma Dena Abergel, diretora da companhia ao New York Times.

“Eu quero que as outras crianças negras se sintam empoderadas, porque quando você vê alguém como você no palco, isso te faz pensar “Olha só, talvez eu possa fazer isso também, afinal, se ela fez, eu também posso fazer”, afirmou Charlotte à CBS.

 

 

Publicidade

Fotos: Reprodução/Twitter


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Xuxa lança livro infantil com temática LGBTQIA+ e conta história de menina com duas mães