Diversidade

Maternidade compartilhada: Casal de mulheres é primeiro a engravidar junto

por: Yuri Ferreira

Donna Francis-Smith (28) e Jasmine Francis-Smith (30) são as mães do fofíssimo Otis, que acabou de nascer. Mas o processo de gravidez delas é um pouquinho diferente do que a gente tá acostumado. Elas passaram por uma maternidade compartilhada, em que as duas participam da gestação do bebê. Mas o que isso significa?

O bebê foi gerado no útero de Donna e ficou lá por 18 horas gestando. Após esse período, ele foi transferido por cientistas para o útero de Jasmine, que engravidou e gestou o filho até o fim da gravidez, fazendo com que ambas participassem do processo de gestação do pequenino Otis.

– Vídeo combate preconceito ao mostrar que família é quem cuida

O casal exibe o fofíssimo Otis, filho da primeira gestação compartilhada da história

“O procedimento realmente fez com que eu e Donna nos sentíssemos iguais em todo o processo e nos aproximou emocionalmente. Agora, com o Otis seguro e bem, sentimos uma verdadeira família. Se tivéssemos que passar pelo processo novamente, não mudaríamos nada”, afirmou Jasmine ao jornal britânico The Telegraph.

O casal ficou bastante feliz com a experiência disse que a experiência de compartilhar a gestação faz com que o laço seja bastante profundo. Feito pela primeira vez no casal britânico, o processo pode se expandir ao longo do mundo e se tornar uma prática comum entre mulheres. Segundo o dr. Dr Kamal Ahuja, em entrevista à BBC, esse se trata da primeira gestação compartilhada da história.

– Casais estão postando fotos para mostrar as caras de aterrorizados de seus filhos por terem pais LGBT

“Estamos impressionadas para ser honesta. Você tem muitos casais do mesmo sexo em que uma pessoa está fazendo a coisa toda: engravidando e dando à luz, enquanto nós duas estamos envolvidas. Ambas temos um vínculo especial com Otis. Isso ajudará as pessoas no futuro”, afirmaram as mães.

Olha só que fofinho!

A clínica afirmou se tratar de um procedimento pioneiro. “Isso permite a colaboração emocional na gravidez, mas também fornece ao embrião nutrientes importantes e outros componentes em um ambiente natural e maternal”, contou um porta-voz da London Women’s Clinic.

– Único deputado LGBT, David Miranda comemora adoção de filhos

“Estamos felizes que isso funcionou tao bem e que agora a inforamção está disponível para todos. Isso certamente irá ajudar outras pessoas no futuro, pois te deixa mais próximo de quem você ama e deixa esse laço emocional mais forte”, completou o casal ao The Telegraph.

Publicidade

Fotos: Arquivo Pessoal


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @yurifen.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mamie Lang: falecida aos 111 anos, ela testemunhou e lutou contra horrores do racismo nos EUA