Inspiração

Casal LGBT celebra nascimento de gêmeos após inseminação artificial no SUS

por: Redação Hypeness


Histórias como a do casal Mariana e Érika Oliveira aquecem o coração: elas recentemente realizaram o sonho de formar uma família e tiveram os gêmeos Ana Louise e Noah por meio de um tratamento de reprodução assistida do SUS, o Sistema Único de Saúde.

A busca começou em 2014, quando o casal já estava junto há dois anos e casado no civil. “Mas, como para muitos casais homoafetivos, a fertilização e inseminação são um pouco distantes, porque são processos muito caros”, contou Mariana em entrevista para o site Yahoo! 


Atualmente, o procedimento de reprodução assistida pode chegar até R$ 30 mil reais pela rede privada, o que torna o sonho de ter um bebê inviável para muitos. Sem grana, as duas até mesmo consideraram a inseminação artificial caseira – quando o processo é feito fora dos hospitais, em casa, com doação direta de sémen e aplicação com a ajuda de kits com o material necessário -, mas desistiu por conta das dúvidas em relação ao registro da criança e o envolvimento do doador no processo.

Mas, elas ainda gostariam de contar com uma forma com maior possibilidadeS de sucesso e ela veio da melhor maneira possível. Durante as pesquisas, Érika descobriu o Programa de Reprodução Humana do HMIB, o Hospital Materno Infantil de Brasília, que é referência no Brasil todo. O projeto é bastante abrangente e atende tanto mulheres e homens inférteis, quanto casais de mulheres que querem ter filhos. 

– Séries norte-americanas nunca tiveram tantos personagens LGBT, aponta relatório

Na época, Érika e Mariana poderiam entrar em duas filas de espera, para a fertilização in vitro e para a inseminação artificial. As duas sempre desejaram ser mães, mas como o sonho foi inicialmente de Érika, fez mais sentido para as duas que ela engravidasse.“Foi natural para a gente que ela gerasse os bebês”, lembra Mariana. 

Por ser um processo mais rápido, medicamente falando, a fila da inseminação foi ágil, e Érika, que preenchia todos os requisitos sem complicações, avançou no procedimento.

“A gente tinha conversado que a genética não era uma coisa muito importante para a gente. Sempre soube que seria mãe, mas sabia que não iria gerar [o bebê]. Ela fazer uma inseminação e [a gravidez] ser com a genética dela nem foi uma questão”, continua.

As duas contam ainda que todo o processo feito pelo SUS foi o oposto do que se pode imaginar. Nada complicado e estressante. Tampouco, ineficaz. “Desde que a gente começou, quando foi no postinho de saúde falar com a ginecologista, ela foi super solícita, já encaminhou a gente para o hospital para fazer todo o processo. Foi bem bacana”, diz ela.

Claro que algumas dificuldades podem estar no caminho, principalmente com relação a alguns exames necessários, que só podem ser feitos na rede privada. Até o momento, a fila de espera para inseminação tem mais de mil e 200 números e cinco mil para a fertilização. Mas Mariana diz que  a espera vale a pena.

– Filho de Mauricio de Sousa faz aniversário com tema LGBT e chora com apoio do pai

“A gente conheceu outros casais que estavam no mesmo processo que a gente, a gente foi muito bem tratada pela equipe médica… Como é uma equipe de pesquisa, tem muita gente nova, muito médico novo com muito gás, muito receptivo”, diz ela.

Publicidade

Fotos: Reprodução / Instagram


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Antes de se tornar segundo-cavalheiro dos EUA, marido de Kamala Harris foi advogado em famoso processo envolvendo Chihuahua