Diversidade

‘Ganho tanto quanto meu marido’, diz Luisa Sonza afastando conceitos machistas

por: Karol Gomes


Com apenas 21 anos, Luísa Sonza, está na capa da edição brasileira da revista Forbes como uma das pessoas mais poderosas do país abaixo dos 30 anos. O motivo é a consolidação de sua carreira musical e como digital influencer. Mas isso pouco importa para os “jurados” da internet que, que chegaram à conclusão de que a cantora “se aproveita” do dinheiro do marido, o youtuber mais popular do Brasil, Whindersson Nunes.

View this post on Instagram

Nem sei por onde começar. Sei que muitas das pessoas que inclusive aqui me acompanham não imaginam que se quer sou uma cabeça pensante… Já fui chamada de tudo um pouco desde que apareci nessa internet. Interesseira, puta, burra, encostada, vagabunda, entre outros milhares adjetivos que leio desde que eu tinha 17 anos. E depois que viram que dessas coisas não podiam mais me chamar (embora muitos continuam chamando) virei a mulher de fulano, e também, depois que as coisas começaram a dar certo, passou-se a alegar q só fazia sucesso por causa de fulano. Isso tudo fez com que colocassem uma venda em mim e na minha história. Todo meu trabalho era ignorado ou diminuído, simplesmente me colocando como alguém que não se podia considerar ALGUÉM. Mal sabiam que todas essas coisas que pareciam ser as “vantagens” foram as coisas que mais me machucaram e fizeram ser as coisas (bem) mais difíceis de acontecer. E por isso valeu mais ainda a pena. Foi preciso MUITA estratégia só pra tirar tantos rótulos criados só por eu ter um relacionamento. Fora os rótulos que uma mulher que rebola a bunda (ou não) já carrega por si só. Tive que ser muito empreendedora pra conseguir mudar aos poucos os rótulos e fazer a música sobressair em meio a tanta merda. Não to falando isso pra me vitimizar e nem acho que isso seja o fim do mundo. Não to aqui querendo ter uma história triste nem nada. Só to falando pra explicar que foi preciso muito trabalho pra chegar até aqui. E por isso to na Forbes, já que muitos não estão entendendo pq, estou explicando, que, tudo que conquistei foi com meu suor, com meu dinheiro. Hoje eu sou milionária e ganho tanto quanto meu marido, tenho a carreira totalmente independente em outra área que não tem nada a ver com o trabalho do meu marido, mas até hoje se eu ler qualquer comentário em algum site de fofoca sobre mim lá vai estar “arrancando todo o dinheiro do Whindersson” “Whindersson comprou a carreira dela” “Whindersson que paga as coisas” e assim por diante, mesmo eu e ele dividindo até a conta de luz. A real é que é difícil aceitarem uma mulher de sucesso. Mas vcs vão ter que engolir.

A post shared by Luísa Gerloff Sonza (@luisasonza) on


No Instagram, a artista comemorou a conquista e escreveu um desabafo sobre os comentários machistas. Ela disse que queria esclarecer as coisas para quem não entendeu o porquê de ela estar na lista de mais poderosos da revista. “Já fui chamada de tudo um pouco desde que apareci nessa internet. Interesseira, puta, burra, encostada, vagabunda, entre outros milhares de adjetivos que leio desde que eu tinha 17 anos”, publicou Luísa. E é categórica: “Hoje eu sou milionária e ganho tanto quanto meu marido”.

– Pabllo Vittar invade festa de fim de ano e canta em karaokê

Luísa se diverte em férias com o marido

A cantora de “Na Garupa” falou sobre como esse tipo de comentário fez com que sua própria trajetória seja desmerecida. “Virei a mulher de fulano […] e quando as coisas começaram a dar certo, passaram a alegar que eu só fazia sucesso por causa de fulano. Todo meu trabalho era ignorado ou diminuído, simplesmente me colocando como alguém que não podia se considerar alguém. Mal sabiam que todas essas coisas que pareciam ser ‘vantagens’ foram as coisas que mais me machucaram”.

– Beyoncé fala sobre relação com corpo e aborto: ‘Dor e perda é um presente’

Segundo Luísa, ela conseguiu dar a volta por cima na baixa autoestima causada pelos ódio online por meio de muito trabalho. Ela mudou a sua estratégia de carreira para fazer com que sua música falasse mais alto. “Tive que ser muito empreendedora para conseguir mudar aos poucos os rótulos e fazer a música sobressair em meio a tanta merda. Não to falando isso para me vitimizar e nem acho que isso seja o fim do mundo. Não to aqui querendo ter uma história triste nem nada. Só estou falando para explicar que foi preciso muito trabalho para chegar até aqui. E por isso estou na Forbes”, continuou.

Certa ela! Estamos em 2020 e já passou do tempo de sustentar esse tipo de papo de que mulheres dependem de homens para sobreviver, né?

Publicidade

Fotos: Reprodução / Instagram


Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Editorial: o Brasil que se incomoda com o termo ‘pretinhos’ e faz vista grossa ao racismo