Diversidade

Mãe tatua cores da bandeira trans e emociona filho: ‘No chão’

23 • 01 • 2020 às 10:51
Atualizada em 23 • 01 • 2020 às 12:50
Yuri Ferreira
Yuri Ferreira   Redator É jornalista paulistano e quase-cientista político. É formado pela Escola de Jornalismo da Énois e conclui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo. Já publicou em veículos como The Guardian, The Intercept, UOL, Vice, Carta e hoje atua como redator aqui no Hypeness desde o ano de 2019. Também atua como produtor cultural, estuda programação e tem três gatos.

A transfobia ainda é um grande problema do Brasil. Mas aos poucos, os movimentos de defesa LGBT conquistam mais espaço na sociedade. Aqui pra nós, é muito bonito acompanhar esse movimento.

Dessa vez, uma tatuagem foi o motivo da comoção. Alexandre, um homem trans, postou em seu Twitter um tatuagem feita por sua mãe para simbolizar o processo de transição. Os traços de uma borboleta com as cores da bandeira trans representam a transformação que seu filho teve ao longo da vida, e ver uma mãe abraçando a causa de uma maneira tão intensa é no mínimo acalentador em um Brasil ainda muito transfóbico.

– “A família transafetiva existe”, pastora trans adota menino especial e menina transexual

Olha só que fofa a tatuagem da mãe do Alexandre!

Confira o tweet de Alexandre:

A imagem teve mais de 30 mil likes e milhares de retweets e demonstra a importância de redes de apoio entre pais de pessoas trans. No ano passado, contamos a história desta família que fez uma homenagem a um jovem trans que sonha com cirurgia. Richard tinha muito medo de não ser aceito pela família, quando foi surpreendido por todos os homens da família simulando sua mastectomia e apoiando o jovem na transição.

Mães pela diversidade 

‘Mães pela Diversidade’ é uma ONG que que reúne pais e mães de pessoas trans. Com mais de sete anos, o grupo incentiva familiaresm a lutarem pelos direitos de seus filhos. Eles até participam da parada LGBT, mostrando o tamanho da força e da urgência não de aceitar, mas de respeitar e abraçar a diversidade, aqui representada pelas pessoas LGBTQ+. É necessário colocar um ponto final na cultura LGBTfóbica no nosso país.

“Focamos no que nos une. O que importa para nós é que o máximo possível de mães esteja, ao menos, consciente sobre as diferentes formas de preconceito contra os LGBTs. Se nem todas são tão ativas nos grupos online ou mesmo nos eventos, que tomem ações nos bastidores, contradizendo o motorista homofóbico no táxi, por exemplo”, afirmou Majú Giorgi, coordenadora nacional da ONG à Revista Cult.

– Homofobia e transfobia passam a ser crime no Brasil

Confira as fofíssimas reações à tatuagem da mãe do Alexandre no Twitter:

Publicidade

Fotos: Reprodução/Twitter


Canais Especiais Hypeness