Debate

Mercado da maconha perde fôlego e acumula perdas 1 ano após legalização no Canadá

por: Vitor Paiva

Toda vez que um novo mercado surge e se afirma com forte potencial comercial, naturalmente acontece o que chamamos de “bolha” – quando uma grande quantidade de empresários e investidores aderem ao determinado mercado a fim de morderem uma fatia do bilionário mercado surgente. E, com o passar do tempo e o assentar da novidade, naturalmente a bolha estoura – e aparentemente foi o que aconteceu com a maconha no Canadá: um ano após a legalização, o número nas vendas foi menor do que o esperado.

Quando a maconha foi legalizada, a oferta era muito menor do que a demanda anunciada. Naturalmente houve a corrida para vender a planta e, com isso, o cenário se inverteu. O valor das ações de empresas do negócio de maconha no Canadá, que haviam dobrado de valor seis meses após a legalização, agora já voltaram ao patamar original, e o preço da maconha no mercado caiu 17% desde então. Além disso, o consumo da planta no mercado ilegal é ainda significativo no país – e o motivo é evidente: as lojas são escassas, e o preço da maconha legal é muito mais elevado.

Fila em loja de maconha no Canadá

A burocracia e o limite para lojas em determinadas regiões dificulta o acesso dos consumidores aos produtos legalizados. Enquanto a maconha legalizada é vendida no Canadá atualmente por cerca de 10,65 dólares canadenses por grama, no mercado ilegal o valor caiu recentemente de 6,51 para 5,93 dólares canadenses por grama. A solidificação do mercado e os produtos derivados da maconha, porém, sugerem aos especialistas que o mercado deverá crescer em 2020.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
STF não reconheceu lei de PMs temporários no RS; assassino de Beto no Carrefour, oficial fazia bico em loja