Diversidade

Prefeito assumidamente gay fala sobre luta pela diversidade na política

por: Yuri Ferreira

Representatividade ainda é um problema no meio político. Ao olhar para o Congresso Nacional, percebemos que mulheres, negros, jovens, trabalhadores e LGBTs não possuem tantos representantes à altura da proporção real destes grupos na sociedade. Brasília ainda é tomada por uma maioria maioria rica, branca e suas dinastias , exemplo de uma prática que ainda impera no status quo brasileiro. Mas, tem gente afim quer mudar a realidade.

Uma dessas pessoas é prefeito de Lins, no interior de São Paulo, Edgar Souza. No último ano de mandato, o político eleito em 2012 como o primeiro chefe de executivo assumidamente LGBT do país, nunca escondeu a orientação sexual. Pelo contrário,  na campanha da primeira eleição, o político do PSDB assumiu um relacionamento de 9 anos com o companheiro que posteriormente se tornaria seu marido.

– Como e porque nasceu a bandeira arco-íris do movimento LGBTQ+. E o que Harvey Milk tem a ver com isso

Em 2017, Edgar se casou com Alex. Algum tempo depois, se divorciou, e no ano passado, anunciou relacionamento com o modelo Max Souza. Juntos há mais de um ano, o casal representa ainda um dos poucos LGBTs assumidos dentro do campo de política. E se em 2018 vimos muita gente se elegendo; lésbicas, gays e pessoas trans, a batalha de Edgar deve ser reconhecida como um caminho aberto na política.

“Hoje sou muito feliz. Extremamente feliz. Por que se incomodar com a sexualidade alheia? Quem tem convicção da sua não se incomoda com a do outro. No que a minha sexualidade te atrapalha? Essa invasão da vida íntima das pessoas é feita de forma pejorativa. Dizem que sou anormal. Eu sou normal, não sou azul, não tenho três braços. Na vida pública a gente preza pela transparência, não fazia sentido esconder quem eu amo e quem eu respeito”, afirmou em 2013, após vencer as eleições, em entrevista ao portal G1.

– Grupos se unem para mostrar que é possível criar uma política mais consciente e representativa

Edgar, prefeito de Lins, ao lado do marido, Max

Edgar entrou em seu último ano de mandato e não poderá concorrer à reeleição, mas os oito anos do prefeito foram relevantes para a política de Lins e para a representatividade no Brasil. O político do PSDB mantém suas posições pró-LGBT, mesmo em um partido com fortes lideranças conservadoras.

“Fico feliz por ver o reconhecimento de minha comunidade. Embora todos os ataques homofóbicos puder mostrar que nós LGBTs temos capacidade e compromisso. O preconceito principalmente o construído pelos grupos fundamentalistas e da extrema-direita sempre nos “pintam” como depravados, pedófilos e que só pensam em sexo. Minha comunidade poder ver que isso não é verdade e no exercício do mandato fui o prefeito que resolveu os problemas crônicos da saúde e educação da cidade”, afirmou ao Observatório G, em 2019.

Publicidade

Fotos: Reprodução/Facebook


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Editorial: o Brasil que se incomoda com o termo ‘pretinhos’ e faz vista grossa ao racismo