Arte

Restauradoras recuperam pinturas antigas feitas por mulheres por visibilidade na arte

por: Redação Hypeness

Em Florença, na Itália, o grupo Advancing Women Artists busca recuperar pinturas antigas feitas por mulheres. Com isso, a ideia é aumentar a visibilidade feminina no mundo da arte.

Graças aos esforços do coletivo, foi possível restaurar uma pintura do século 16, realizada por uma freira. Porém, os esforços não se resumem apenas à restauração, visto que o grupo também realiza a catalogação de obras e publicações que mostram que as mulheres sempre criaram arte, apesar das inúmeras tentativas de apagar essa história.

O My Modern Met cita uma de suas mais recentes conquistas: a restauração do mural “Última Ceia“, pintado pela freira Plautilla Nelli por volta de 1568. Além de trazer à tona o trabalho desta artista autodidata, o restauro foi realizado por uma equipe composta apenas por mulheres, incentivando ainda mais o trabalho feminino.

É importante lembrar que não se trata de uma cópia do trabalho de Leonardo Da Vinci. Cenas da última ceia eram um tema popular em pinturas durante os séculos.

No trabalho de Plautilla Nelli, os apóstolos aparecem com expressões bastante marcadas e é possível perceber o quanto a freira dominava o desenho da anatomia humana, o que é ainda mais impressionante em uma época em que mulheres eram proibidas de ter aulas de anatomia.

Após o restauro do trabalho, a última ceia de Nelli passou a ser parte do acervo do museu Santa Maria Novella, onde está em exposição permanente. Tudo isso graças a um grupo de ativistas que está disposto a resgatar a história das mulheres na arte, um quadro por vez.

Publicidade

Fotos: Divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Muito além de ‘Parasita’: 6 filmes para entender o cinema da Coreia do Sul