Debate

Tempo pode ter derrubado helicóptero de Kobe Bryant; áudio mostra último contato com torre

por: Karol Gomes

Entre as nove vítimas de um acidente trágico de helicóptero na manhã de domingo (27 de janeiro), em Calabasas, na Califórnia, Estados Unidos, duas representavam o legado e o futuro do basquete: o ex-jogador Kobe Bryant, de 41 anos, e sua filha, também jogadora, Gianna ‘Gigi’ Bryant, de 13.

A notícia pegou todo o mundo de surpresa e as autoridades ainda tentam entender o que aconteceu – a primeira pista vem de áudios e dados de radar divulgados pela companhia aérea responsável pelo voo, indicando que as condições climáticas eram adversas e a visibilidade, restrita. 

– Prestes a estrear programa sobre NBA na TV, modelo que perdeu perna em acidente cita determinação

Kobe Bryant voava em uma aeornave modelo S-76, registrado como N72EX . Especialistas reafirmam a seugrança do helicóptero, usado especialmente em deslocamentos comerciais. O último contato entre piloto e a torre de controle de Los Angeles aconteceu em condições adversas. O que reforça a tese de que o tempo ruim tenha contribuído para a tragédia. A aeronave voava em condições especiais de visibilidade a 1.500 pés (450 metros).

Conforme o áudio divulgado pela VASAviation, logo após ter seu controle repassado ao Southern California Terminal Radar, o helicóptero perdeu contato via rádio, possivelmente porque voava abaixo do normal, o que comprometeu a propagação das ondas radiofônicas – menos de um segundo depois que a transmissão é encerrada, o controlador perde o contato da aeronave no radar, mostrando que a mesma havia colidido em um terreno. Ouça a conversa: 

O acidente pode ser classificado como CFIT, acrônimo em inglês para ‘Colisão com o Solo em Voo Controlado‘. Esse tipo de acidente ocorre quando a aeronave está com todos seus equipamentos e sistemas funcionando normalmente, mas o piloto colide inadvertidamente com o solo. A causa mais comum para esta ocorrência é o fator humano. 

– Jogador de basquete viraliza ao atravessar a rua ‘voando’

Segundo as Regras Gerais de Operação e Voo (14 CFR Part 91) não é proibido que um helicóptero desse porte voe quando a visibilidade for inferior a 1 milha. Porém, o piloto é responsável por manter a separação vertical e horizontal do terreno. Por voar sob condições especiais, sem estar operando instrumentos, não existe vetoração do controle de tráfego aéreo, aumentando a exigência de consciência situacional por parte do piloto.

O acidente envolveu um dos mais sofisticados helicópteros do mercado: o Sikorsky S-76B. A aeronave tem espaço para até 16 passageiros e costuma ser utilizada no transporte de autoridades e até mesmo voos offshore, atendendo plataformas de petróleo em alto mar. A unidade utilizada por Kobe Bryant, registrada como N72EX, foi fabricada em 1991 e mantinha condições de voo de acordo com as rígidas exigências da FAA, a agência de aviação civil dos Estados Unidos.

Kobe e ‘Mambacita’

Kobe Bryant é considerado um dos maiores jogadores de basquete de todos os tempos — ele entrou para a National Basketball Assosiation (NBA), liga de basquete americana, aos 17 anos, vindo direto do ensino médio. Black Mamba, como era conhecido pela mentalidade assassassina da cobra,  se aposentou em abril de 2016, marcando 60 pontos no jogo de despedida em Los Angeles.

Um dia antes da morte, Kobe passava o posto de terceiro maior cetinha da NBA para Lebron James, atual astro do Lakers. A mensagem deixada pelo veterano para parabenizar Lebron agora soa como uma despedida: “Continuando o jogo e seguindo em frente. Muito respeito por você, meu irmão”.

 

Kobe e Gigi Bryant não se uniram apenas pelos laços familiares. O amor pelo basquete também era compartilhado por eles. Aliás, foi Gigi a responsável por reconectar Bryant com o esporte. Ele era treinador do time da filha de 13 anos. 

O sonho dela era ser jogadora da WNBA – a liga norte-americana de basquete feminino. Para ajudá-la nisso, mesmo após se aposentar, em 2016, Kobe se manteve próximo das quadras treinando com Gigi. Analistas já tinham captado o talento herdado do pai, principalmente na semelhança do seu ‘fadeaway‘ – arremesso convertido com o jogador projetando o corpo para trás – com o do astro, uma de suas assinaturas de jogo.

O Black Mamba passou a ser parte da vida esportiva de Gigi, que treinava pela Mamba Sports Academy, aberta há pouco mais de um ano com o apoio do pai para capacitar jovens atletas. Ela ganhou o apelido de ‘Mamnacita” pelas semelhanças com Kobe. 

– Rainha Hortência é eleita a maior jogadora de basquete de todos os tempos

Pai de quatro meninas, Kobe via Gigi como sua sucessora nas quadras. Em entrevista ao apresentador Jimmy Kimmel em outubro de 2018, ele deixou claro que não precisava de um filho homem para seguir seus passos, como muitos insistiam em dizer. 

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.


X
Próxima notícia Hypeness:
Criciúma: polícia prende 4 pessoas com R$ 800 mil deixados no chão por assaltantes