Arte

Tincoã Mateus Aleluia celebra 76 anos com disco novo e documentário

por: Gabriela Glette

Dizem que a música está no sangue dos baianos, e o artista Mateus Aleluia é prova viva disto. Aos 76 anos, o integrante do grupo Os Tincoãs, está prestes a lançar seu terceito álbum solo – ‘Olorum’ e é tema de documentário que narra a vida e obra deste fértil músico, natural de Cachoeira.

Mateus Aleluia tem trajetória ligada ao povo negro de Cachoeira

 

Mateus Aleluia ganhou notoriedade quando fazia parte do trio baiano Os Tincoãs. Na década de 1970, ele foi apontado como um dos mestres musicais da africanidade barroca, este tipo de sonoridade que ele faz lindamente através de seu trompete. Quem viu ao vivo garante: há algo de sagrado em seu sopro.

 

O artista começou a carreira solo em 2010, ano em que lançou ‘Cinco sentidos’. Exatamente uma década depois, seu terceiro álbum tem lançamento previsto para o mês de março. Simultaneamente, ele já planeja um outro disco, que dará destaque ao canto dos orixás, que ele pretende captar em viagem à África, também este ano.

Ele pode ser visto zanzando pelas ruas do Santo Antônio, em Salvador

 

Mas o período criativo está longe de acabar por aí. 2020 também é o ano de estréia do esperado ‘Aleluia – o canto infinito do Tincoã’, documentário que nos apresenta a história deste mestre dos sons. O ano mal começou e já nos promete altos lançamentos!

Publicidade

Fotos: foto 1: Paola Alfamor/foto 2: Reprodução/foto 3: Vinícius Xavier


Gabriela Glette
Uma jornalista e produtora de conteúdo que mora na França. Apaixonada por viagens e inquieta por natureza, ela encontrou no nomadismo digital o segredo de sua felicidade, e transforma a saudade que sente da família e amigos em combustível para escrever suas histórias. Gabriela também é fundadora do site Quokka Mag, onde fala apenas sobre coisas boas!

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Arqueólogos descobrem imagem de felino gigante próxima às linhas de Nazca