Criatividade

Tutorial sincerão é guia para sucesso nas aulas de artes plásticas

por: Yuri Ferreira


Todo mundo que tá na escola ou que passou por ela não tem como negar que às vezes aprender as coisas é chato. As dinâmicas de sala de aula nem sempre são as mais interessantes pros alunos e, na verdade, tudo bem. Mas existem algumas pessoas que fazem questão de contar seu conhecimento da maneira mais divertida e bem-humorada possível.

E aí, você acha que os memes são uma boa maneira de explicar os movimentos artísticos?

Dessa vez, a gente vai falar sobre o Tio Virso. Comandante da página “História da Arte com o Tio Virso” e do perfil @hadevirso no Instagram, o educador-comediante busca tratar dos grandes clássicos da história da arte com um toque de cinismo, sarcasmo, acidez, mas é claro, de conhecimento histórico. Dos vasos gregos, passando pelo renascentismo e chegando até os video-games, o professor da internet busca comentar obras e estilos de maneira bem humorada e consciente.

– Professor de história desempregado surpreende ao fazer do ônibus a sua sala de aula em Belém do Pará

Confira uma postagem do Tio Virso no Instagram:

View this post on Instagram

Quando Chicão Goya, esse casca grossa com nervos de aço, abandonou Madri para morar na "Quinta do Surdo", ele devia estar p*taço. Longe de seus dias de glória como pintor de sucesso, ele sofria crises de ansiedade e acreditava estar perdendo o juízo. Ele tinha perdido a audição alguns anos antes. Ele também tinha sido forçado a comparecer ao tribunal da Inquisição 2 VEZES – por causa de obras consideradas irreverentes e/ou obscenas. Ainda pior que sua visão de si mesmo era sua visão do mundo. Após um pequeno surto de esperança revolucionária, os sonhos iluministas do século XVIII de um mundo mais esperto e menos religioso tinham virado fumaça, e a Espanha, em especial, tinha regredido ao ponto de reativar a Inquisição, que não seria desarticulada oficialmente até 1834. (Sim, a Inquisição Espanhola existiu oficialmente até 1834. 1834!) Foi então que ele, que sempre tinha tido essa inclinação pro estranho, se fechou de vez na sua visão de mundo trevosa, macabra e pessimista, e pintou as Pinturas Negras nas paredes da Quinta. Já que a Quinta não era aberta pra visitas e ele nunca escreveu sobre elas, Goya provavelmente não queria que ninguém visse as Pinturas Negras. Em 1874 as pinturas foram transferidas para telas. Em 1881, elas foram doadas ao acervo do Prado, em Madri, onde permanecem em exposição. Todas elas são sinistras e bad vibes, mas nenhuma tanto quanto "Saturno devorando um de seus filhos", que representa a passagem da mitologia romana em que o deus come seus próprios filhos para não ser destronado por eles. O mito deixa implícito que ele os engolia inteiros, mas Goya o pintou como um monstro irracional destroçando uma carcaça ensanguentada. Goya o pintou com toda a raiva e amargura que devia estar sentindo naquela altura da vida. #FALOWVALEW Imagem: "Saturno devorando um de seus filhos", Francisco de Goya y Lucientes, 1819-1822, mural transferido para tela, 146 x 83 cm, Museu do Prado, Madri. #hadevirso #historiadaarte #pintura #goya #pinturasnegras #saturno

A post shared by História da Arte com Tio Virso (@hadevirso) on


“Hoje em dia tem pouco Zé Pato que diga que o Michelângelo não foi um artista brilhante, mas na época, lá no século XVI, não faltou gente pra acusar ele de blasfêmia e indecência. Entre 1537 e 1541, Mike voltou a trabalhar na Capela Sistina, anos depois de ferrar a coluna e os olhos pintando o teto. Talvez tenha sido porque a grana era muito boa, talvez porque ele sentia que precisava se redimir com o Criador por ser um desgraçado de um misantropo que odiava todo mundo”, explica Tio Virso em um trecho sobre a história da Capela Sistina.

Explicando símbolos recorrentes ao longo das eras

– Esse professor é o primeiro amazonense da história a ser indicado ao ‘Prêmio Nobel’ da Educação

Tio Virso toma cuidado com as regras de censura impostas pelas redes sociais ao tratar de temas delicados (como a vulva de uma mulher em uma pintura).

No Facebook, suas postagens também tem sido um sucesso de compartilhamentos, graças à maneira memética e objetiva que usa para lidar com a história da arte e dos artistas. E, apesar do linguajar um tanto ultrajante em forma, é reconhecível que o professor de história não tem uma visão exclusivamente eurocêntrica nos conteúdos que leva pras suas páginas, tratando de arte contemporânea brasileira, obras das periferias do mundo e também valoriza artistas negros e mulheres.

O humor é um recurso educativo importante nas redes sociais

– Acusado de ‘doutrinação comunista’, professor é ovacionado por alunos

Confira as postagens do brutal Tio Virso no Facebook:

Publicidade

Fotos: Reprodução/Facebook


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
‘Visual Kanji’: perfil no Instagram reúne ilustrações fofas e criativas para ensinar japonês