Sustentabilidade

Com 18 graus, Antártica acaba de registrar temperatura mais alta da história

por: Yuri Ferreira

Patrocinado por:
Notice: Undefined index: facebook_titulo in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/single.php on line 90

Autoridades governamentais e pessoas públicas tem cada vez mais entrado na paranoia de que o aquecimento global não existe, contrariando as evidências factuais, a comunidade científica e a própria realidade. Mas parece que a realidade vem ganhando essa terrível batalha e está difícil esconder a verdade: o planeta está se aquecendo graças à intervenção humana na natureza.

Uma evidência factual disso aconteceu ontem, na Antártida. Na base de Esperanza, na Península Antártica – região do continente mais próxima da Argentina – os termômetros registraram uma temperatura recorde de 18,3º C, medição mais alta da história do continente gelado.

– Ártico aquece em uma década o mesmo que o resto do planeta em 137 anos, mostra estudo

Temperaturas tem aumentado cada vez mais na Península Antártica, apontam especialistas

A última medição do recorde foi feita em 2015, quando a mesma base registrou 17,5ºC em março de 2015. O sistema meteorológico nacional da Argentina, o SMN, registrou também temperaturas recordes no dia de hoje, sendo marcados 14º C na base de Marambio, cujo recorde era 13,1º C, marcados em 2013.

“Esse recorde não me aparece como uma surpresa. Por mais que exista uma variabilidade de década a década e a temperatura possa aumentar, a tendência observável por trás desses números e observável ao redor de quase todo o continente é alarmante”, afirmou Eric Steig, uma glaciologista especialista em mudanças climáticas na Universidade de Washington, ao jornal The Washington Post.

– Brasil está entre 5 países do mundo com natureza intocada e tem obrigações em relação a isso

O sistema de meteorologia argentino alertou para os recordes através do Twitter:

Esse aquecimento tem sido particularmente rápido na península – onde fica localizada a base de Esperanza -, especificamente nos verões. A gente acredita que esse tipo de recordes sejam ultrapassados sequencialmente nas próximas décadas, isso se não forem batidos ano a ano.”, completou Stieg.

O derretimento das calotas polares aumenta o nível dos oceanos e pode alterar de maneira drástica a maneira como vivemos, especialmente em cidades litorâneas

– Microplásticos são encontrados em pinguins na Antártica e preocupam cientistas

O principal problema no aquecimento da Antártica é o derretimento de geleiras. É no continente de gelo que cerca de 90% da água doce do planeta está localizada. Caso o degelo aumente de maneira desenfreada, o nível dos mares aumentaria cerca de 60 metros. Além disso, a pesquisa na região é importante para muitos aspectos. Por ser muito maior que o Ártico, no norte, a situação da Antártica é mais segura, mas há muitas preocupações relacionadas ao aquecimento global.

 

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.


X
Próxima notícia Hypeness:
Energia renovável: o futuro que já chegou