Debate

Entenda o que é a ‘doença do beijo’ e saiba como evitá-la no Carnaval

por: Yuri Ferreira

O Carnaval de 2020 já está chegando! O Brasil inteiro fica todo animado para aproveitar a festa da carne e tudo que vem junto com ela: música popular brasileira, bebedeira, festa na rua e, é claro, beijo na boca. No entanto, todo carnaval tem seu fim. E pra não sair doente da folia, é importante ficar atento para algumas dicas básicas de saúde e prevenção.

Uma das doenças mais comuns nos tempos de Carnaval é a mononucleose, conhecida também como doença do beijo. Essa doença infecciosa e parente da herpes é bastante comum nessa época do ano por ser transmitida através da saliva. Portanto, é importante ficar atento à algumas dicas para que seu beijo acabe não saindo caro.

– ‘Não é não’: campanha contra assédio no Carnaval atinge 15 estados

A ‘doença do beijo’ é um dos perigos de se beijar na boca durante o Carnaval

A mononucleose é transmitida através da saliva e seus sintomas podem aparecer apenas um mês e meio depois da folia. Nesse meio tempo, muita gente esquece como pode ter pego a doença e, por ela ter sintomas relativamente comuns, pode não se entender direito como ela funciona.

– Blocos comandados por mulheres invertem lógica machista e racista do Carnaval da Bahia

“Se transmite pela saliva em contato íntimo e o beijo é aliado da doença nesse sentido. Em alguns ambientes como aglomerados urbanos, a gente pode ter a transmissão por saliva através de um contato mais próximo. Depois do contato com o portador, ela vai aparecer após um mês e meio. Por isso, é difícil relacionar uma coisa a outra. Depois aparecem sintomas clássicos como dor no corpo, cansaço, que são comuns a várias doenças como gripes e doenças infecciosas”, explica a médica Verônica Cisneiros ao G1.

– Discurso de investimento em saúde e educação quer minar Carnaval de rua

Não existem muitas maneiras de se prevenir contra a doença, mas a principal delas é manter a sua imunidade sempre alta. Vitamina C, hidratação e exercícios físicos são importantes. Além do beijo, ela pode ser contraída de maneiras simples, como compartilhamento de talheres ou mesmo de copos. Por isso, é importante manter sempre o álcool gel na bolsa e utilizar pertences próprios no rolê.

 “Não há um tratamento específico para a doença do beijo. Geralmente, são indicados repouso e medicamentos que amenizam os sintomas”

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Ronnie Von relata ofensas por comprar lingerie: ‘cultura machista’