Debate

Fala de Rodrigo Bocardi mostra força do racismo estrutural no Brasil

por: Karol Gomes

Rodrigo Bocardi mostrou na prática como funciona o racismo estrutural, ao vivo, na edição desta sexta (7 de fevereiro) do Bom Dia São Paulo. Enquanto o repórter Tiago Scheuer falava com um jovem negro, chamado Leonel, no metrô, o âncora mandou perguntar – por causa da camiseta – se o entrevistado era gandula, se ele pegava bolinhas de tênis no Clube Pinheiros. A resposta foi: “não. Eu sou atleta. Jogo polo aquático”.

A reportagem falava sobre a dificuldade enfrentada por moradores da zona leste de São Paulo para entrar nos vagões lotados da linha-3 vermelha do metrô. O jovem entrevistado contou que estava a caminho de Pinheiros, bairro nobre da cidade. Eis que Bocardi teve a ideia de perguntar se ele “pegava bolinhas de tênis” no clube frequentado pela elite paulistana. Talvez ele só tenha visto pessoas negras na função de ‘pegar bolinha de tênis’ ou como serventes, pois foi assim que ele julgou que seria a participação do jovem negro.

Scheyvuer, o repórter, não entendeu o que o âncora quis dizer. Bocardi teve que deixar mais claro que queria saber se o rapaz era gandula. Aqui pra nós, está mais do que na hora de repórteres, jornalistas e profissionais de comunicação se despirem de ideias pré-concebidas sobre sociedade para evitar que situações como estas se repitam.

– Miss e empresária acusa banco de racismo ao ser detida tentando sacar o próprio dinheiro

Os telespectadores do Bom Dia São Paulo’ não reagiram bem e o jornalista usou as redes para se justificar. Disse que as pessoas é que estavam vendo maldade no que ele falou.

“Hoje tudo vira motivo de grande discussão. A galera falando aqui do rapaz do clube Pinheiros. Eu só perguntei aquilo porque frequento todos os dias e jogo bola com todos aqueles garotos que usam aquela camiseta, por isso, achei que era. Não existe preconceito, não existe racismo. Quem escreve o que fala é que é”, pontuou.

Depois do programa, o apresentador usou sua conta no Twitter para uma longa justificativa que, ainda assim, não convenceu sua audiência:

Seria legal viver na fantasia sem racismo de Rodrigo Bocardi, mas não deveria ser ele a julgar, de sua posição privilegiada como homem branco e em um programa ao vivo sem debates, dizer o que é ou deixa de ser racista.

– Jovem negro taxado de ‘suspeito’ por fotos em bairro de Jundiaí inicia carreira na fotografia

Racismo estrutural

O racismo no Brasil, apesar do que acredita Bocardi e muitas pessoas, não é um problema que passou, não existe ou é esporádico – vindo de uma ou duas pessoas com má intenções. Na realidade, o racismo foi estruturado no Brasil durante e após a escravidão, de maneira que colaborou para a construção da imagem do negro como subalternos, serventes e inferiores a população branca – ou ainda, outros estereótipos, como de bandidos, vagabundos e preguiçosos.

O fenômeno é totalmente ligado ao conceito de representatividade. Isso explica muito do que a televisão reproduz – colocando sempre o branco como protagonista e em múltiplos papéis e negros nos mesmos estereótipos – e o quão impressionado se mostrou Bocardi ao descobrir que o rapaz entrevistado era um atleta profissional e não um simples empregado do clube que ele frequenta diz tudo.

– Por que Jéssica Ellen é a personagem mais importante de ‘Amor de Mãe’

Em outro exemplo: foi o racismo estrutural que fez William Waack supor que a bagunça na rua onde ele estava fazendo transmissão ao vivo era “coisa de preto”, sem nem ter visto os responsáveis.

Publicidade

Fotos: Reprodução / TV Globo


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Barraco com biquíni e garrafada no Leblon deve acabar na Justiça: ‘Vai ter processo, sim’