Debate

Homem sequestra e obriga mulher a assistir 9 horas de série sobre racismo

por: Yuri Ferreira

Um homem sequestrou e obrigou uma mulhere a assistir 9 horas de uma série sobre racismo. O caso aconteceu na cidade de Cedar Rapids, em Iowa. O homem, identificado como Robert Lee Noye, de 52 anos, escolheu a série ‘Raízes’, de 1977. A informação é do jornal local The Gazette.

– Thread reúne o que as pessoas fariam se o racismo acabasse: ‘Iria ao shopping de chinelo’

Robert Lee Noye tomou uma ação drástica: sequestrou uma mulher para fazer com que ela deixe de ser racista

Noye foi preso pela polícia de Cedar Rapids. Em depoimento às autoridades locais, Robert afirmou que queria educá-la. “Assim ela poderia entender melhor o seu racismo”disse.

– O fotógrafo que desafiou o racismo nos EUA e registrou a luta pelos direitos civis no país

Iowa é um dos estados com a menor proporção de negros e latinos nos EUA. A reportagem do The Gazette, no entanto, não informa o que a mulher teria feito para o homem para causar uma situação como essa. Robert ainda afirmou que ela deveria assistir a série inteira com ele, e caso se recusasse, iria matá-la.

– Miss e empresária acusa banco de racismo ao ser detida tentando sacar o próprio dinheiro

Raízes, a série em questão, conta a história da família de Kunta Kinte, herói da literatura na luta contra a escravidão no território americano. Produzida em 1977, é um marco na história da televisão dos EUA na luta contra o racismo.

Lee Noye é réu primário e será julgado por assédio e sequestro nas cortes de Iowa nos próximos dias.

O racismo é, de longe, um dos maiores males do mundo. E apesar de algumas pessoas tentaram negar, ele está presente em diversos aspectos da nossa vida. A luta contra esse tipo de opressão pode vir de várias formas: representação política, empresarial, movimentos organizados e até numa simples conversa de bar. Não pode é se omitir ou negar os fatos.

Publicidade

Fotos: Reprodução/Twitter


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.


X
Próxima notícia Hypeness:
Ana Beatriz, indígena de 5 anos, é morta asfixiada após ser estuprada em crime bárbaro no Amazonas