Entrevista Hypeness

Ingrid Silva: a estrela do balé de Nova York que trouxe visibilidade negra para a dança

por: Kauê Vieira

Ingrid Silva ficou famosa ao pintar suas sapatilhas para que parecessem com a cor de sua pele. No entanto, quem vê essa jovem negra andando pelas ruas de Nova York, cidade onde vive há 11 anos, talvez não tenha noção do que a primeira bailarina do Dance Theatre of Harlem passou para chegar até o posto de referência para jovens pretinhos e pretinhas que sonham em um dia poder se apresentar diante do público em um teatro. 

– Ubuntu: O pioneirismo de Ruth de Souza nas artes do Brasil

Se situe, o desafio não é fácil, sobretudo se tratando de Brasil e sua máquina racista que limita o sonho de pessoas negras. Com Ingrid não foi diferente. Quer dizer, quase. A determinação da mãe e a insistência da hoje mulher de 30 anos fizeram a diferença numa corrida que não tem nada de meritocrática (tire o cavalinho da chuva). 

Ingrid Silva transformou o balé

O Hypeness conversou com Ingrid Silva sobre essa mistura de sensações provocadas por mudanças repentinas na realidade da carioca que nasceu e cresceu no bairro de Benfica, zona norte do Rio, e que queria ser médica, mas esbarrou na dança. 

“Nossa de uma forma gigantesca! Além da minha história não ser comum, muitas oportunidades surgiram ao longo da vida para que esta jornada fosse feita. Vejo hoje em dia como as pessoas acreditam mas na arte através do meu trabalho. Ainda mais no balé clássico”, pontua. 

– Tony Tornado é o embaixador do orgulho negro brasileiro, dom

Ingrid Silva sempre se interessou por esportes, mas foi a partir do projeto social Dançando para Não Dançar, criado por Thereza Aguilar, que ela deu o start numa trajetória promissora. 

Eu comecei no balé em uma comunidade próxima da minha residência, na Vila Olímpica da Mangueira, em um projeto social chamado Dançando para não Dançar. Até então todos eram parecidos comigo e com resto do mundo. Quando fui para outra escolas e ganhei bolsa estava na zona sul do Rio. Bem elitizada. Eu era minoria, nunca entendia e nem questionava sempre achei normal até chegar ao Dance  Theatre of Harlem, onde todos se pareciam comigo

A bailarina teve aopio fundamental da mãe

A bailarina se refere, claro ao racismo. O universo da dança no Brasil sempre teve uma relação discriminatória com o negro. Embora os afro-brasileiros não tenham fugido do estereótipo de que são exímios dançarinos, estilos, digamos, clássicos, sempre foram coisa de branco’.

A história de Mercedes Baptista não nos deixa mentir. Não fosse o trabalho de base realizado pelos movimentos e muitas estudantes negras apaixonadas por dança que entram no ensino superior, a primeira bailarina negra a se apresentar no Theatro Municipal do Rio de Janeiro estaria esquecida. 

Baptista se tornou referência para homens e mulheres negras como Ingrid Silva. A insistência de Mercedes, que também se apresentou no Teatro Experimental do Negro ao lado de nomes célebres como Ruth de Souza, serviu para deixar a situação menos complexa. 

– Ana Flávia Cavalcanti estreia na novela das oito e como diretora: ‘Não quero me juntar com racista’

“Nunca em milhões de anos eu teria esta perspectiva!”, exclama Ingrid sobre sua representatividade nos palcos. 

“Olhar pra tudo isso hoje é algo gratificante, porque se não fosse pela arte eu jamais teria chegado onde cheguei. Se não fosse pela arte eu não estaria onde estou. Além disso, a representatividade no balé no nosso país é quase escassa, sendo negra, é quase nenhuma”

Ingrid Silva mora em Nova York há 11 anos

Nova York e as sapatilhas 

 Ingrid Silva não pensava em morar nos Estados Unidos e como quem vê cara não vê coração, poucos imaginam os perrengues enfrentados por ela para chegar aos EUA sem falar inglês. 

A jovem carioca foi aos Estados Unidos por ter conquistado uma bolsa de estudos. Mesmo com medo, recebeu o apoio da mãe – migrante do Espírito Santo e que plantava arroz. O início no Dance  Theatre of Harlem também não foi fácil, mas Ingrid não desistiu. 

Agora, 10 anos depois, ela se apresenta, linda e preta com seu cabelo black power que lembra uma coroa de rainha. “Com a era de redes sociais, falamos muito sobre a representatividade que é necessária. ‘Você não consegue ser se não se ver’ em diversas áreas que aspira”, ressalta. 

– Este poderoso curta conta a jornada de Ingrid Silva, das favelas do Rio até o ballet profissional em NY

“Elas chegaram! Pelos últimos 11 anos, eu sempre pintei a minha sapatilha. E finalmente não vou ter mais que fazer isso! Finalmente. É uma sensação de dever cumprido, de revolução feita, viva a diversidade no mundo da dança. E que avanço, viu, demorou mas chegou!” , foi assim que Ingrid Silva regiu no Twitter no momento em que as sapatilhas com a cor de sua pele preta chegaram. 


O momento se tornou um marco para tanta gente. A beleza de ver a alegria de uma mulher negra se confunde com a raiva de que isso ainda seja necessário. Mas, como diz Emicida, são as ‘pequenas alegrias da vida adulta’. 

Se atente ao simbolismo disso e aposto que vai se emocionar e compreender os efeitos do racismo na vida de uma pessoa. Durante 11 anos, Ingrid desembolsou 12 dólares para pintar suas sapatilhas. 

As pessoas não entendem muito sobre as sapatilhas. Não é um mito ou ato de revolução. Sempre foi como a companhia que entrei, historicamente, usava suas sapatilhas. Arthur Mitchell, o fundador [do Dance Theatre of Harlem] criou este look para companhia e eu simplesmente adicionei a minha rotina. Quando postava sobre pintar elas é porque de uma certa forma era um ato político. Porque com mais de 300 anos ninguém fez uma sapatilha para negros até hoje. Muita gente não sabe, mas a combinação sapatilha rosa e meia rosa foi criada por ser uma arte elitista com muitos brancos. Então, estas cores seriam mais próximas de suas peles. Como uma continuidade

Finalmente gozando do reconhecimento à altura de seu talento, Ingrid Silva foi uma das estrelas de uma campanha da Nike sobre a urgência de todos terem as mesmas oportunidades. Em um vídeo gravado dentro de um teatro, ela divide cena com outro dançarino negro, Alex. Aliás, ela foi  PRIMEIRA bailarina negra em um comercial da marca

Representatividade é tudo

“Sem palavras! Acho que eu sei sim o que significa, mas até agora não tenho palavras pra descrever como você vê no vídeo aquele momento de choro e por eu estar ali, tendo aquela oportunidade. São muitos anos de luta este reconhecimento e árduo. E necessário!” 

Chamada de menina prodígio pela narradora, ninguém menos que Serena Williams, Ingrid não esconde o orgulho, mas revela que nunca pensou em ser bailarina. 

“Eu nunca pensei em ser bailarina mesmo, não tem nada a ver com racismo. Sempre quis ser médica, não sei porque mas a dança foi mais forte e acabou me conquistando. É uma responsabilidade imensa porque pela primeira vez uma bailarina negra está em uma campanha da Nike. Eu já estou fazendo história e abrindo caminhos!” 


O céu é o limite para Ingrid Silva, que não voa sozinha. Lá dos Estados Unidos, ela serve de referência pra tanta gente, inclusive sua mãe, que finalmente pode ver a filha dançar. 

“Foi maravilhoso ter ela lá me vendo, sentimento de missão e desejo cumprido. Ser filha da minha mãe não é pra qualquer um agradeço todos os dias sem ela não estaria aonde estou hoje”. 

Primeira bailarina do Dance  Theatre of Harlem, Ingrid Silva é negra. Ingrid Silva é brasileira. Ingrid Silva faz o que quiser com seu corpo negro – que é livre. 

“A maior lição que o balé me ensinou foi a ser eu mesma e acreditar na minha jornada. As coisas não acontecem por acaso. Acho que em troca eu continuo dando aulas e contribuindo para um mundo melhor”.

Publicidade

Fotos: foto 1: Reprodução/foto 2: Scott Serio/foto 3:@underground_nyc/ foto 4: Alex Logaisk/foto 5: Steven Vandervelden/foto 6: Lucinda Grange


Kauê Vieira
Nascido na periferia da zona sul de São Paulo, Kauê Vieira é jornalista desde que se conhece por gente. Apaixonado pela profissão, acumula 10 anos de carreira, com destaque para passagens pela área de cultura. Foi coordenador de comunicação do Projeto Afreaka, idealizou duas edições de um festival promovendo encontros entre Brasil e África contemporânea, além de ter participado da produção de um livro paradidático sobre o ensino de África nas Escolas. Acumula ainda duas passagens pelo Portal Terra. Por fim, ao lado de suas funções no Hypeness, ministra um curso sobre mídia e representatividade e outras coisinhas mais.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Esses buquês de flores gigantes de papel são a coisa mais linda que você vai ver hoje