Debate

Paulo Guedes reitera discriminação contra domésticas: ‘‘Com dólar baixo empregada ia à Disney’

por: Karol Gomes

Nesta quarta-feira (12 de fevereiro), o ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, afirmou que a conversão do dólar, alta como está agora, é um bom sinal, pois quando o dólar estava próximo a R$ 1,80, as exportações caíam, mas o país tinha “todo mundo indo para Disneylândia, empregada doméstica indo para Disneylândia”.

Ele quis dizer que o dólar mais alto é o novo normal e que ver pessoas de classe média ou mais baixa viajando para a Disneylândia não seria normal. 

– ‘Romantizar’ o trabalho infantil é perverso e violento com milhões de crianças brasileiras

De acordo com a coluna de Mônica Bergamo, publicada logo depois da declaração do ministro, auxiliares do presidente da república, Jair Bolsonaro, disseram, em nome dele, que a frase foi considerada “terrível”. 

Esta é a a segunda vez no mês que o ministro comete gafes. Há alguns dias, ele chamou os funcionários públicos de parasitas – com a reação negativa e generalizada, pediu desculpas. Sobre o que falou com relação a empregadas domésticas, ainda não se pronunciou. 

– Estudo comprova que imigrantes são bons para a economia e não o contrário

– Página no Facebook reúne relatos de experiências vividas por empregadas domésticas no Brasil

Medo de pobre 

A atitude de Guedes com relação a uma possível ascensão social da classe está muito ligada com a maneira com que, historicamente, a sociedade considerada de elite no Brasil tratou as empregadas domésticas. 

Por muito tempo não havia ao menos uma legislação adequadaopara as empregadas domésticas e, quando isso finalmente aconteceu, a gritaria de indignação foi generalizada, diante do estabelecimento do direito profissional mínimo – tudo isso encoberto por uma manta de fala simetria e pura hipocrisia, de pessoas que colocam tais profissionais como pessoas queridas e consideradas ‘da família’, desde que não tenham direitos que as tirem do lugar de serviçais. 

– A empregada doméstica brasileira que usou livros achados no lixo para se tornar juíza

Na época, uma página foi criada no Facebook para que retratos desses tratos entre patrões e empregadas pudessem ser relatados. A ‘Eu Empregada Doméstica até virou livro depois de reunir comentários, apontamentos e relatos que revelam situações que ilustram a desigualdade e o destrato que essa tão importante classe profissional sempre sofreu, como estes abaixo: 

A maioria dos posts, expõe a maneira com que um tratamento preconceituoso, desigual e vil é aparentemente naturalizado no Brasil, como se fosse simplesmente parte de um acordo profissional. 

Publicidade

Foto: Agência Globo


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.


X
Próxima notícia Hypeness:
‘Detratores’: veja nomes de jornalistas e influencers em lista de monitoramento do governo