Diversidade

Primeiro jogador de futebol gay recebe homenagem de museu

por: Yuri Ferreira

Quantos jogadores de futebol profissional masculino que você conhece são LGBTs assumidos? Pouquíssimos, né? A homofobia ainda é um sério problema no esporte, especialmente no futebol, afastando milhares de pessoas de dentro dos campos ou impedindo que elas assumam quem elas são por puro preconceito.

Mas há 30 anos atrás, um homem mudou o jogo. Justin Fashanu, ponteiro direito, assumiu em entrevista ao jornal The Sun que era gay. Se até hoje ser gay é um grande problema dentro dos gramados, imagina dizer isso há 30 anos atrás sendo negro? Agora Fashanu entrará no Hall da Fama do Museu de Futebol Inglês.

– Duas mulheres selam noivado na arquibancada e dão bico na homofobia do futebol

Fashanu foi o primeiro jogador de futebol profissional a se assumir gay na história

A trágica história de Fashanu começa com uma ótima temporada no Norwich City. Nos anos 80, jogou em diversos clubes da Commonwealth: Inglaterra, Canadá e Austrália foram casas para o jogador. Sua transferência do Norwich para o Nottingham Forest foi histórica: foi o primeiro jogador negro da história a custar mais de 1 milhão de libras para um clube.

Depoois de uma década, Fashanu seria entrevistado pelo jornal The Sun, um tabloide sensacionalista. O jogador assumiu sua homossexualidade e foi duramente criticado pela conservadora sociedade inglesa e teve muita dificuldade em reatar sua carreira depois disso.

– Champions Ligay, o primeiro campeonato de futebol gay no Brasil, quer vencer homofobia no esporte

“Eu não entendo, ainda hoje, como Justin fez isso – ele é um dos homens mais corajosos que eu conheci. O fato de Justin ter se levantado e dito: ‘este é quem eu sou, vou me respeitar e fazer com que os outros me respeitem por quem eu sou’, é uma das coisas mais impressionantes. Não conseguiria me sentir mais honrada em ser sobrinha dele”, afirmou sua sobrinha Amal à BBC.

– Como este time gay está ajudando a combater a homofobia no futebol

Depois de sofrer muito preconceito e ser falsamento acusado de assédio, Fashanu resolveu tirar a sua própria vida em 1998, aos 37 anos de idade, um ano após sua aposentadoria dos gramados. Mas hoje, sua história ganha um novo tom e uma homenagem da Federação Inglesa de Futebol.

Fashanu entrará no National Football Museum’s Hall of Fame junto de outros 100 atletas e marcará seu espaço em um território até hoje pouco ocupado: o dos LGBTs assumidos no futebol masculino.

 

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Principal universidade de pesquisa dos EUA elege 1ª mulher negra presidente de corpo estudantil