Debate

Tia Má desabafa sobre jovem negro agredido por PM por causa do cabelo 

por: Karol Gomes


“Sou mãe de um adolescente preto, que usa o cabelo dredado, e sim… Uma abordagem violenta da Polícia contra um jovem negro que usa o cabelo black power me atinge e me fere”. É assim que a humorista e influenciadora digital Tia Má se manifestou, como mãe, sobre o caso do adolescente negro de 16 anos que foi agredido em uma abordagem policial em Salvador, com murros e chute, além de insultos racistas, por causa de seu cabelo. 

A ação foi gravada no último domingo (2 de fevereiro) de dentro de um imóvel, em Paripe, no Subúrbio Ferroviário de Salvador, sem que os policiais envolvidos percebessem, e divulgadas nas redes sociais na tarde desta segunda-feira (3).

Em entrevista para o Correio 24 horas, o jovem disse temer uma reação do PM, que ainda não foi identificado, mesmo sem ser responsável pelo vídeo. “Me sinto ameaçado, se ele [o PM] vai querer me pegar, fazer maldade comigo”.

– Jovem negro taxado de ‘suspeito’ por fotos em bairro de Jundiaí inicia carreira na fotografia

Ele disse ainda que está com medo de sair de casa e que não tem mais vontade de usar o black power, pois o policial repetiu diversas vezes que aquele era ‘cabelo de bandido‘. O adolescente afirma que usa o cabelo black há pelo menos um 1 ano e foi a primeira vez que foi discriminado.

O jovem negro foi agredido pelo PM por causa do cabelo black power

A vítima relembrou ainda, durante a entrevista, que, no dia da abordagem, tinha levado uma amiga de sua namorada no ponto de ônibus. 

“Parei para conversar com um colega que tava de carro. Foi quando a viatura veio e fez a abordagem. Deu chute primeiro na perna do meu colega e depois veio para cima de mim. Falou que eu era vagabundo com esse cabelo aqui, ladrão”. O vídeo mostra o PM retirando a boina do jovem e a jogando no chão. 

– Miss e empresária acusa banco de racismo ao ser detida tentando sacar o próprio dinheiro

Em nota, a assessoria da Polícia Militar informou a corporação “não preconiza com a violência e rechaça todo e qualquer tipo de conduta violenta”. Além disso, confirmou que o vídeo será encaminhado para a Corregedoria-Geral da PM para ser analisado.

Quem também se manifestou foi o governador Rui Costa, em publicação feita em seu perfil oficial no Twitter, na manhã desta terça-feira (4), comentou a denúncia de racismo envolvendo um policial militar da Bahia.

“Como governador do Estado da Bahia, não admito comportamento de violência policial como o ocorrido no vídeo que circula nas redes sociais. É inaceitável, inadmissível e não reflete o comportamento e os ideais da instituição”, disse. 

– Pastor citado em disco de Emicida será Jesus no desfile da Mangueira

Como bem apontou Tia Má, em seu post, a conduta do policial é sinal de regressão em nossa sociedade. Se entre os anos 60 e os anos 80 o black power tornou-se um símbolo de resistência e reafirmação da estética negra, hoje ele deveria ser um símbolo de celebração e não motivo de agressão. Veja o texto na íntegra: 


E, como fez a influenciadora, é importante chamar atenção para a violência que jovens negros têm sofrido. Segundo uma pesquisa realizada pela Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) e pelo Senado Federal, 56% da população brasileira concorda com a afirmação de que “a morte violenta de um jovem negro choca menos a sociedade do que a morte de um jovem branco”.

– Iza mostra crescimento do cabelo natural e nós ganhamos a semana

E, de acordo com o Programa do Fundo de População da ONU a cada 23 minutos, um jovem negro morre no Brasil, um dado que não vai mudar sem consciência e indignação sobre casos como estes de Salvador. 

 

Publicidade

Foto: Reprodução/Instagram


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Felipe Neto fala sobre acusações de pedofilia, e ameaças ao ‘Jornal Nacional’: ‘Não imaginei’