Debate

Vereadora é alvo de machismo em sessão por calça rasgada

por: Yuri Ferreira

A política é um espaço de reflexão dos problemas da nossa sociedade. o Congresso Nacional tem apenas 10% de representantes femininas, enquanto a proporção na população geral é de 51,7% de mulheres. O machismo, portanto, existe nas casas parlamentares: do Senado até as Câmaras Municipais se veem exemplos de como o patriarcado fica incomodado com uma mulher em posição de poder.

Em Araucária, cidade da região metropolitana de Curitiba, no Paraná, a vereadora Tatiana Nogueira (PSDB) foi alvo de comentários machistas por utilizar uma calça rasgada que mostrava parte de suas coxas. Durante uma sessão parlamentar, ela recebeu um bilhete pedindo que trocasse de calça e depois foi advertida verbalmente pelo machista de que sua roupa era inapropriada.

– TSE pune nove partidos por não incentivarem em suas propagandas a participação feminina na política

Essa era a vestimenta que o sujeito considerou inadequada e pediu para que fosse trocada

O homem em questão encostou em Tatiana e lhe entregou um bilhete assinado, dizendo que sua roupa era inadequada. A vereador não acreditou. Ele faz parte Conselho Municipal de Saúde de Araucária, e afirma ser um político cristão. Em suas redes sociais, defende a volta do monarquismo ao país e afirmou que não era machista. A atitude, no entanto, mostra o exato contrário.

“O problema não era a calça rasgada, mas pelo fato de a calça mostrar partes das minhas coxas. Então eu não posso ir de saia também? Ele entregou pessoalmente depois de me cutucar por trás. Vi o bilhete e não acreditei na hora, pois com tanta coisa importante, ele olhou a minha roupa”, afirmou a vereadora em entrevista ao Universa, da UOL.

– Sementes de Marielle: Talíria Petrone leva a política de mulheres negras para Brasília

Dentro do regimento da Câmara de Araucária não existem códigos de conduta de vestimenta. A vereadora já abriu um processo na Polícia Civil do estado para que se abra uma inquérito contra o preconceito de gênero que o conselheiro municipal causou.

“Nós estamos em um país livre, nós mulheres temos o nosso direito. Se o senhor acha que é um estilista, então vá trabalhar como estilista e não venha falar das minhas vestimentas. Eu me visto como eu quiser, como eu achar adequado, assim como todas as mulheres”, desabafou Tatiana em depoimento ao G1 Paraná.

– Brasil perde para o Afeganistão quando o assunto é representatividade feminina na política

O bizarro comentário do homem e as represálias que ele tem sofrido na mídia ainda o fizeram suscitar questões nas redes sociais.

“Machismo é um termo pejorativo que desqualifica um homem de bem, como eu sou. Eu peço desculpas para ela, mas eu não vou aceitar uma vereadora, no horário de trabalho, com uma calça moderninha aí. Uma parlamentar?! Gente, será que eu estou tão atrasado?! Estou no tempo da caverna?!”, reclamou o machista em suas redes sociais. Será que ele está no tempo das cavernas?

Publicidade

Fotos: Reprodução/Facebook


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mulher que humilhou fiscal com diploma universitário é demitida: ‘Formado, melhor do que você’