Seleção Hypeness

5 razões que tornam Drauzio Varella uma pessoa necessária

por: Kauê Vieira

O oncologista Drauzio Varella está sob ataque desde que crimes praticados por uma detenta transexual entrevistada por ele para uma matéria especial do ‘Fantástico’ surgiram. 

– Drauzio Varella sob ataque aumenta invisibilidade trans na cadeia

Suzy Oliveira estava há 8 anos sem receber visitas. Sua história deixou muita gente emocionada, inclusive Drauzio, que a abraçou. Entretanto, segundo o site O Antagonista, ela está presa pelos crimes de estupro e homicídio contra uma criança de 9 anos. 

A repercussão negativa fez com que Drauzio, na noite da última terça-feira (10), divulgasse um vídeo nas redes sociais se desculpando com a família da vítima. O médico reafirmou que não sabia do histórico de Suzy, mas que não se arrependia de tê-la abraçado. 

Drauzio Varella entrevista Suzy para o ‘Fantástico’

“É um crime que choca a todos nós. Posso imaginar a dor e peço desculpas à família do menino que foi involuntariamente envolvido no caso”, diz reafirmando que a intenção da reportagem era debater a situação precária de mulheres trans no sistema carcerário do Brasil. 

Drauzio, que falou grosso contra pessoas que pedem que ele se candidate à presidência, apontou que a maioria dos transexuais está em privação e liberdade por roubo.  O que, de fato, faz sentido, pelo menos é o que diz o relatório ‘LGBT nas prisões do Brasil: diagnóstico dos procedimentos institucionais, lançado em 2019 pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, que firmou parceira com o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento).


– Dichavamos episódio por episódio a nova série do Dr. Drauzio Varella sobre maconha

Cerca de 38,5% das pessoas trans estão presas por roubo e 34,6% por tráfico. Apenas 7,7% estão atrás das grades por por homicídio. Trocando em miúdos, o debate sobre o caso envolvendo Drauzio Varella é salutar desde que não busque atingir a honra do médico, historicamente comprometido com os menos favorecidos e não tente suprimir ainda mais os poucos direitos das pessoas trans no Brasil. 

Infelizmente isso não aconteceu. Mais do que cancelado, Drauzio Varella recebeu ataques sórdidos de grupos de extrema-direita que pretendem apenas disseminar pensamentos transfóbicos e usam o médico como bode expiatório. 

O Hypeness listou os cinco momentos que fazem de Drauzio Varella uma pessoa necessária e importante para o Brasil que trilha o caminho de busca pela igualdade social. Para todos. 

1. ‘Eu com 70 corro mais do que você com 17’ 

Nosso Drauzio atleta

Quem acompanha o canal do médico no YouTube sabe que Drauzio, ou Draw, como é chamado pela garotada que o segue  nesta rede social, é um exímio corredor. 

Morador do centro da cidade de São Paulo ele, todos os dias às 4h da manhã, deixa seu prédio e sai correndo pelas ruas da metrópole. Varella acumula conquistas do tamanho de uma meia-maratona (provas de 20km). Tudo isso aos 75 anos. 

Seu currículo é de respeito. Há 25 anos completou a Maratona de Nova York e desde então ostenta mais de 20 maratonas. Os treinos ocorrem quatro vezes na semana. 

2. Sobre o cigarro: ‘Eu não tinha caráter nenhum’ 

Mesmo sendo um exemplo de saúde, Drauzio Varella fumou por mais de 30 anos. “Parei de vergonha. Imagina um oncologista fumante?”, disse ele ao IG. Além de ter ganho uns bons anos de vida, Drauzio nos brinda com respostas hilárias na luta contra o tabagismo. 

“Eu sou pior, eu era médio e fumava. Eu trabalha no Hospital do Câncer e andava com um maço de cigarro no bolso. Quando eu dizia aos meus pacientes que eles precisavam parar de fumar, eles olhavam para o meu bolso. Eu não tinha caráter nenhum”.  

Em um de seus vídeos no YouTube, ele dá um recado para os jovens fumantes que não conseguem subir um par de degraus em um prédio. “Põe você para subir uma escada. Quero ver quanto andares você consegue subir sem por a língua de fora. Eu subo com você. Eu com o triplo da sua idade, garanto que tenho mais fôlego que você”.

3. Abraçando a diversidade 

Drauzio Varella também sempre demonstrou compromisso com a diversidade. O médico escreveu um artigo criticando o que chamam de ‘ideologia de gênero’. 

“Ideologia de gênero é um termo inventado por preconceituosos que não aceitam a diversidade do comportamento sexual humano”, pontuou. 

Ele vai além e diz que o termo, que não está em nenhum artigo científico, é usado por pessoas que pretendem apenas expressar sua homofobia. “Embora disfarcem, o que esses moralistas de botequim defendem é a repressão do comportamento homossexual que, sei lá por que tormentos psicológicos, lhes causa tamanho horror”.

4. Drauzio Dichava

O médico mostra sua visão progressista e alinhada com as urgências do mundo de hoje. O oncologista esteve à frente de uma série de debates sobre a legalização da maconha. 

Tratado de forma madura e sem alardes ou visões equivocadas, o tema teve a atenção devida nas mãos de Varella. “Manter a ilusão de que a questão da maconha será resolvida pela repressão policial, é fechar os olhos à realidade, é adotar a estratégia dos avestruzes”.

Assista a série ‘Drauzio Dichava no YouTube’: 

5. Draw lendo comentários 

Talvez o que mais cative seja a espontaneidade de Drauzio Varella e a honestidade hilária que ele apresenta ao demonstrar desconhecimento absoluto sobre os termos usados nas redes sociais. 

Portanto, a sessão de Drauzio Varella lendo comentários é uma das coisas mais maravilhosas de sua página no YouTube. 

Publicidade

Fotos: Reprodução


Kauê Vieira
Nascido na periferia da zona sul de São Paulo, Kauê Vieira é jornalista desde que se conhece por gente. Apaixonado pela profissão, acumula 10 anos de carreira, com destaque para passagens pela área de cultura. Foi coordenador de comunicação do Projeto Afreaka, idealizou duas edições de um festival promovendo encontros entre Brasil e África contemporânea, além de ter participado da produção de um livro paradidático sobre o ensino de África nas Escolas. Acumula ainda duas passagens pelo Portal Terra. Por fim, ao lado de suas funções no Hypeness, ministra um curso sobre mídia e representatividade e outras coisinhas mais.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
6 apps para meditar durante a quarentena