Debate

Drauzio Varella afasta idolatria e diz que ‘mundo está louco’

por: Yuri Ferreira

No último domingo, Dráuzio Varella dominou a internet devido a um novo projeto do médico com o ‘Fantástico’. Contando a dura realidade da vida das mulheres trans encarceradas em presídios para homens no estado de São Paulo, a reportagem produzida por Varella não surpreende somente por sua densidade jornalística, mas especialmente pela sensibilidade para lidar com o tema. A idolatria foi tanta que tem gente querendo que o doutor vire presidente.

Dráuzio é uma das principais referências quando se fala em saúde pública no Brasil

O mais emocionante episódio da série foi o contato de Dráuzio com Suzy, uma mulher trans que não recebe visita há oito anos. O vídeo comoveu a internet e mostrou a força que o jornalismo tem. Confira:

– Dichavamos episódio por episódio a nova série do Dr. Drauzio Varella sobre maconha

Com a enorme repercussão e uma movimentação da própria sociedade para auxiliar as mulheres entrevistadas por Dráuzio, ele se surpreendeu com a empatia dos espectadores com o assunto.

“Eu fiquei muito emocionado. Teve toda essa repercussão porque as pessoas sentiram essa tristeza que eu senti. Não tem realidade mais dura”, afirmou o médico e jornalista à coluna da Mônica Bérgamo na Folha de Sâo Paulo.

– ‘O único lugar lugar onde mulheres têm liberdade sexual é na cadeia’, diz Drauzio Varella

O frenesi foi tanto que levou a algumas pessoas pedirem ‘Dráuzio Presidente‘. É claro que o currículo do médico é melhor do que de muitos chefes de estado que já tivemos. Além de ser o fundador da rede de colégios e cursinhos Objetivo, Dráuzio foi professor universitário em mais de 5 países, mas o que realmente conta é seu trabalho como epidemiologista.

Com a eclosão da AIDS nos anos 80, Varella se preocupou com grupos de risco e fez um trabalho especial em penitenciárias, que revelou a sua sensibilidade com a vida humana. Anos depois, sua vivência se tornaria o livro ‘Estação Carandiru’, substrato para o filme de 2003, ‘Carandiru’, de Hector Babenco.

Posteriormente, além de ter escritos diversos livros infantis, Dráuzio fez longas campanhas contra o tabagismo na televisão e escreveu o incrível ‘Prisioneiras’, relatando a rotina das encarceradas e das mulheres presas no nosso país. Mas não é a carreira política que ele quer.

“Esse mundo tá louco. Nós vivemos procurando por um salvador da pátria. Esse é o drama do país. A gente se decepciona com um e corre atrás de outro que seja o oposto. Vamos ficar assim até quando?”, concluiu.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
O privilégio branco da professora universitária ‘negra’ que enganou todo mundo