Ciência

Estudo diz que dentes são capazes de contar história de nossas vidas

por: Vitor Paiva

Para conhecer alguém e saber mais sobre sua vida é preciso muita conversa, estudo, pesquisa e dedicação – ou simplesmente analisar a raiz de seus dentes. Essa foi a descoberta publicada recentemente na revista científica Nature: há na superfície da raiz dos nossos dentes um tecido mineralizado que se recobre em uma nova camada a cada ano, e que conta a história fisiológica daquela pessoa.

A pesquisa foi realizada com 47 dentes de 15 pessoas diferentes, analisando a trajetória de vida e o histórico médico de cada paciente envolvido. Intitulada cemento, a tal camada renovável funciona como os anéis internos do tronco de uma árvore, em que as estruturas do cemento revelam os acontecimentos da vida do “dono” daqueles dentes. “Esses ‘anéis’ dentários são um arquivo fiel de experiências fisiológicas e de estressores que vão desde gravidezes e doenças até encarceramentos e menopausas, sendo que todos deixam uma marca distinta e permanente”, afirmou Paola Cerrito, pesquisadora do Departamento de Antropologia e da Faculdade de Odontologia da Universidade de Nova York, nos EUA.

Alterações hormonais, gravidez, menopausas, mudanças inesperadas e diferenças de idade foram determinadas com precisão pelos pesquisadores. “Nossos resultados deixam claro que o esqueleto não é estático, mas sim dinâmico”, disse Cerrito. Ainda há um longo caminho para tornar essa uma ciência exata e confiável, mas os pesquisadores acreditam que em breve o estudo do cemento poderá impactar de forma contundente áreas como a arqueologia e antropologia.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Ex-terraplanistas explicam os motivos de terem abandonado a estapafúrdia teoria