Debate

Harvey Weinstein 23 anos preso: mulheres e #MeToo derrubam predador sexual de Hollywood

11 • 03 • 2020 às 13:15
Atualizada em 11 • 03 • 2020 às 13:20
Karol Gomes
Karol Gomes   Redatora Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Depois de ser o nome mais citado entre as denúncias do movimento #MeToo, o ex-produtor de cinema Harvey Weinstein, 67, foi julgado na cidade de Nova York, EUA, e recebeu sua sentença nesta quarta-feira (11 de março): 23 anos de prisão por abuso sexual e estupro, seguidos de cinco anos de supervisão fora das grades. 

Weinstein chegou à audiência de cadeira de rodas e algemado. Sete mulheres que testemunharam contra ele também estavam presentes. 

Weinstein chega a Suprema Corte de Manhattan ao lado de sua advogada

– Mulheres substituíram quase metade dos homens derrubados pelo #MeToo

Contrariando o que era esperado, o ex-produtor se manifestou na Corte e afirmou, em referência às mulheres que o acusam, que teve “momentos maravilhosos com essas pessoas”. “Há tanta gente, milhares de pessoas, que diriam coisas ótimas sobre mim”, acrescentou. 

O ex-produtor ainda falou sobre remorso pela primeira vez, algo que não é condizente com sua postura ao longo dos dias de julgamentos e acusações

Um dos nomes mais influentes de Hollywood nas últimas décadas, Weinstein abusou sexualmente ou estuprou pelo menos 15 atrizes – isso sem as profissionais que ficam por de trás das câmeras. Desses crimes, cinco acusações relacionadas a crimes sexuais foram levadas à Suprema Corte de Manhattan. Um júri formado por sete homens e cinco mulheres decidiu, no dia 24 de fevereiro, condená-lo por duas delas — e o inocentou da mais grave, a de comportamento sexual predatório, que podia levá-lo à prisão perpétua.

Nesta terça (10), em um último esforço para aliviar a pena de seu cliente, os advogados de Weinstein enviaram uma carta ao juiz James Burke, da Suprema Corte, pedindo que o magistrado o condenasse a apenas cinco anos de prisão. 

Weinstein, de 67 anos, vai passar 23 anos preso no norte de Nova York

O apelo, em parte, deu certo — o ex-produtor se livrou da pena máxima de 29 anos que enfrentava. Mas não conseguiu ser autorizado a cumprir suas penas simultaneamente. No mesmo dia do apelo, ainda vieram à tona documentos do processo que atestam que Weinstein disse que Jennifer Aniston “deveria ser morta”, depois de descobrir que uma revista planejava publicar que ele havia assediado a atriz.

– ‘Como vou mudar’: Homens respondem #MeToo com o que aprenderam sobre abuso e assédio

Os papéis ainda mostram que o agressor mantinha uma lista de pessoas que poderiam falar bem sobre ele com jornalistas — como o ator Ben Affleck. Weinstein ainda abordou poderosos do mundo corporativo em busca de ajuda — como Michael Bloomberg, ex-prefeito de Nova York; Ted Sarandos, diretor de conteúdo da Netflix; Jeff Bezos, dono da Amazon; e Tim Cook, presidente-executivo da Apple.

Agora, Weinstein deve ser enviado a um centro de detenção provisório, onde passará por exames médicos e odontológicos, terá seu cabelo e barba raspados e receberá orientações sobre a nova vida — incluindo um vídeo e um panfleto sobre prevenção de abuso sexual na cadeia. Em seguida, ele será transferido para a instalação onde cumprirá a pena. De acordo com o jornal The New York Times – o mesmo jornal que fez a grande reportagem que iniciou o movimento #MeToo – a penitenciária escolhida fica no norte do estado de Nova York.

As denúncias contra o ex-produtor serviram de gatilho para o movimento MeToo, que incentivou dezenas de mulheres a irem a público falar sobre casos de assédio sexual que sofreram. Dois desses casos tiveram como consequência a sentença que Weinstein enfrentou nesta quarta — o de Jessica Mann, que o acusou de estuprá-la num hotel em 2013, e o de Miriam Haley, que o denunciou por ter praticado sexo oral nela à força em 2006.

– Aos 24, Dakota Fanning estreia na direção e vê o cinema mais feminista: ‘O #MeToo criou mudanças duradouras’

A defesa de Weinstein tentou uma estratégia muito comum em casos de estupro: desacreditar as acusadoras, dizendo que elas transaram com o produtor para progredir em suas carreiras. A reportagem de 2017 do The New York Times deixou claro, muitas vezes, que a situação nunca foi uma troca de favores: as mulheres tinham suas carreiras ameaçadas caso pedissem ajuda ou denunciassem Weinstein. O júri discutiu o caso por cinco dias e concluiu pela condenação.

Outras alegações contra o magnata de Hollywood já prescreveram, não se enquadram na jurisdição de Nova York ou envolvem comportamento abusivo, mas não criminal. Weinstein ainda enfrenta acusações semelhantes em Los Angeles.

Publicidade

Canais Especiais Hypeness