Ciência

NASA: fotos mostram como erupção de vulcão dizimou vegetação tropical

por: Vitor Paiva

Apesar de parecer que não há mais nada acontecendo no mundo além da pandemia do coronavírus, o fato é que o planeta segue funcionando, com seus mares, seus ventos, suas tempestades e até mesmo seus vulcões. Ao mesmo tem em que o coronavírus começava a ganhar a atenção global, ainda restrito à China, nas Filipinas o vulcão Taal despertava de um sono de 43 anos, espalhando cinzas espessas por uma área de mais de 14 quilômetros.

Acima, antes da erupção, e abaixo, depois © NASA

Mais de dois meses depois do 12 da janeiro em que a erupção aconteceu, a NASA finalmente trouxe à público fotos tiradas de um satélite, mostrando os efeitos das cinzas do Taal – que transformou uma floresta verde em uma superfície que mais parece o solo lunar, coberta de poeira cinza e sem vida. Localizado a cerca de 45 quilômetros ao sul da capital Manila, o Taal é um dos menores vulcões em atividade do mundo, mas ainda assim a erupção fez com que milhares de pessoas tivessem de deixar suas casas.

© Getty Images

Pois as nuvens alcançaram distâncias de mais de 100 km, fechando o aeroporto e estabelecendo uma verdadeira tragédia nacional: depois que a poeira assentou, calculou-se que 6 mil vidas foram perdidas e 40 mil pessoas tiveram de ser evacuadas. As fotos da NASA foram tiradas no dia 6 de dezembro de 2019, antes da erupção, e depois, no último dia 11 de março. Segundo um especialista, a maior parte das cinzas já foi lavada a essa altura, mas os sinais da erupção permanecerão como marca geológica por milênios.

© Getty Images

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mais humanos estão evoluindo para ter três artérias nos braços; entenda porquê