Seleção Hypeness

7 restaurantes de imigrantes delivery pra viajar o mundo sem sair de casa e apoiar quem precisa

por: Clara Caldeira

A quarentena segue avançando em São Paulo com o objetivo de achatar a curva de contágio pelo novo coronavírus e, assim, evitar o colapso do sistema de saúde. Com grande parte do comércio fechado, muitos restaurantes encontraram no delivery a alternativa para sobreviver à pandemia. Na páscoa, divulgamos no Hypeness uma lista com opções de negócios de pequenos produtores para adoçar o feriado e ainda ajudar quem precisa. Agora é a vez de falarmos dos imigrantes.

Para isso, unimos forças com o pessoal do MigraMundo, um espaço para abordar, informar e debater as múltiplas facetas que permeiam as migrações no Brasil e no mundo. A plataforma reúne tanto notícias e relatos sobre problemas vividos pelos migrantes dentro e fora do país como avanços e reconhecimentos obtidos na questão migratória. 

São Paulo é uma das cidades mais multiculturais do mundo, disso todo mundo já sabe. É aqui que pessoas de diversos países encontram espaço para começar ou recomeçar uma vida. Um dos solos mais férteis para plantar essas sementes é a gastronomia. Essas pessoas e família que chegam aqui, muitas vezes em situação vulnerável e em busca de refúgio, trazem consigo uma rica bagagem cultural, repleta de saberes e tradições.

São Paulo de muitas nações: como explorar o mundo dentro da cidade

Dispostos a dividir esse conhecimento generosamente em troca da acolhida, muitos desses imigrantes acabam abrindo restaurantes ou pequenos negócios no ramo da alimentação. Os paulistanos por sua vez, garimpeiros e frequentadores vorazes de restaurantes, vão descobrindo esses cantinhos e elegendo seus preferidos. E assim, pouco a pouco, a comida, as memórias e as trocas culturais vão ajudando essas famílias a fincar raízes no asfalto do chão para estruturar uma nova possibilidade de vida.

Com a pandemia provocada pela Covid-19, muitos destes pequenos empreendedores correm o risco de não conseguir manter o seu ganha pão. Para tentar ajudar alguns desses negócios e ao mesmo tempo te presentear com sabores e aromas do mundo, num momento em que viajar é praticamente uma utopia, selecionamos alguns desses estabelecimentos que estão trabalhando com entregas a domicílio nesse período. É só apertar os cintos, arrumar a mesa e se preparar para essa volta ao mundo sem sair de casa.  

Congolinária (comida congolesa vegana)

View this post on Instagram

. Estamos vivendo uma situação sem precedentes! A COVID-19, infelizmente, além de afetar a saúde do país, pode colocar em risco a situação financeira de pequenos empreendimentos. O CONGOLINARIA é um restaurante familiar, não pertence a nenhum grupo de grandes investidores, dependendo exclusivamente do faturamento diário para arcar com todas as despesas fixas e salários de nossos colaboradores. Desde o início de nosso funcionamento contamos com o apoio de vocês, nossos amigos e clientes, e agora mais do nunca o CONGOLINARIA precisa da ajuda de vocês para superarmos essa fase e mantermos nosso pessoal até que tudo se normalize. Para tanto, estamos fazendo fazendo delivery pelo nosso motoboy e pelo Ifood faça o seu pedido pelo nosso whatsapp ou pelo Ifood de terça a domingo das 11h às 21h se puder e compartilhe e marque seus familiares e amigos. Que podem também passar para frente nossa corrente solidária e claro: saborosa! ? . De terça feira a domingo das 11h às 2h WHATSAPP : 11943762912 E IFOOD Taxa de entrega 0800 até 7km Sexta Sábado e Domingo SOMENTE IFOOD . Esperamos revê-los em breve no CONGOLINARIA. . . . . #congolinaria #congolesecuisine #congodelivery #CongoNoBrasil #gastronomiaafricana #gastronomiacongolesa #chefpitchouluambo #veganfood #vegandelivery #vegano

A post shared by CONGOLINÁRIA (@congolinaria) on

O Congolinária serve saborosos pratos veganos de origem congolesa por até R$ 35, criados pelo chef Pitchou Luambo. O restaurante fica na Pompéia, no andar de cima da Fatiado Discos. Eles estão trabalhando com entrega e os pedidos devem ser feitos por Whatsapp (11) 9 4376-2912 ou IFood.

Talal (culinária síria)

View this post on Instagram

Ola pessoal, vocês lembram de que talal culinária Síria fazia marmitas para vender, e agora por causa da nova pandemia que estamos passando no momento, então vamos voltar a fazer marmitas para vender com as máximas recomendações de segurança e higiene. E por causa da paralisação total de trabalho e a minha necessidade dessas vendas para poder pagar os boletos. O pedido mínimo é de R$ 50.00 para entregar sem contar a taxa de entrega. Mas para retirar pessoalmente ou com motoboy pode só uma na campo belo , zona sul . E o preço da marmita é de R$20,00 de aproximadamente 400 gramas. As marmitas árabes pode ser entregue congeladas ou não. – arroz com macarrão cabelo de anjo, kafta, charuto folha de uva com carne . -arroz com macarrão cabelo de anjo, frango com temperos especiais, charuto folha de uva com carne . -arroz com macarrão cabelo de anjo, kibe assado, charuto folha de uva com carne . – arroz com macarrão cabelo de anjo, falafel , charuto folha de uva sem carne. As marmitas podem ser congeladas e com a mesma embalagem pode ir para o micro-ondas, e em 5 minutos no micro-ondas a sua comida está pronta E ainda temos humos ou coalhada seca cada 250 gramas por 20.00 reais. Temos também pão Sírio que a cada 12 unidades por 12 reais. Telefones ( whatsapp) 11 966221305 11 999962290

A post shared by TALAL CULINÁRIA SÍRIA (@talal_culinaria_siria) on

O engenheiro sírio de 44 anos veio com a esposa e a filha de Damasco, na Síria, para São Paulo em dezembro de 2013 e virou chef. O casal passou então a preparar quitutes típicos de sua terra natal e, em 2016, por meio de uma campanha de financiamento coletivo, abriu seu primeiro restaurante. Durante a pandemia, além de oferecer cursos e entregar refeições gratuitas a pessoas em situação de rua, o Talal está vendendo e entregando marmitas árabes. O pedido mínimo para delivery é de R$ 50,00, sem contar a taxa de entrega. Também é possível fazer a retirada na loja, que fica no Campo Belo, na Zona Sul. O preço de cada marmita é de R$ 20,00 e o peso é de aproximadamente 400 gramas. As marmitas árabes pode ser entregue congeladas ou não.

Biyouz (gastronomia camaronense)

Há mais de dez anos na República, o Biyou’z é especializado na culinária camaronesa, mas o cardápio também oferece comidas de outros países do continente africano. A cozinha é comandada pela chef Melanito Biyouha e a casa segue atendendo a pedidos das seguintes formas. IFood ou retirada na loja, na Alameda Barão de Limeira, 19 – República. No segundo caso, o pedido pode ser feito por telefone (11) 3221-6806 e há ainda a opção de entregas em domicílio na região central.

Tentaciones da Venezuela 

View this post on Instagram

FELIZ PASCOA#Repost from @ikmr_brasil with @regram.app … GRATIDÃO E?? Hora do almoço de domingo também virou hora de cidadania e solidariedade humana, nesta quarentena. Neste exato momento a @cianissi está circulando pelo centro de São Paulo, levando alimentação e proteção para a população em situação de rua. 1000 refeições estão sendo servidas! 1000 pessoas estão sendo impactadas por essa iniciativa. Queremos agradecer a Nissi por sempre pensar na nossa comunidade, ao @kobrastreetart por essa mobilização extraordinária colocando a arte à serviço também dessa população vulnerável, pelo amor e cuidado com que @a_rainha_da_comida_arabe_ – @cozinhadesalsabil – @limarcomidaarabe – @razancomidaarabe e @tentacionesdavenezuela trabalharam para produzir o almoço dessa grande família e à VOCÊ que aceitou o desafio de fazer parte e embarcar nessa com a gente! Quando cada um consegue fazer uma parte, tudo é possível! FELIZ PÁSCOA! #aartedeajudar #cianissi #kobra #tentacionesdavenezuela #amigos #Gratidão #solidalidade #união

A post shared by TENTACIONES DA VENEZUELA (@tentacionesdavenezuela) on

A refugiada venezuelana Yilmary, de 37 anos, está à frente do Tentaciones da Venezuela. Durante a pandemia, ela segue trabalhando com comida venezuelana, salgados artesanais e doces típicos. No cardápio, destaque para as cachapas e o café da manhã venezuelano tradicional. Nesta quarentena o Tentaciones está fazendo entregas e para pedir basta entrar em contato pelo telefone ou WhatsApp (11) 9 4932-7060.

Limar (comida árabe)

Como eles próprios se definem: “somos uma família síria cozinhando delícias da nossa terra para vocês”. O Limar também segue mais ativo do que nunca nesta quarentena e, quem quiser, pode fazer seu pedido pelo WhatsApp (11) 9 489-74258. O horário de atendimento é de segunda a segunda, das 8h às 22h, e a região de entrega deve ser consultada pelo telefone.

La Casera (comida chilena)

O La Casera Chilena dedica-se a preparar as receitas mais saborosas do Chile. As empanadas são feitas artesanalmente, a partir de uma receita familiar tradicional. Pastel de choclo, alfajores, chilenitos, ceviche e até o inusitado hot dog chileno também estão entre as delícias da casa. Durante a quarentena pedidos podem ser feitos por apps de delivery ou pelo telefone (11) 9 4342-8842. 

Urbanika (arepas colombianas)

A colombiana Liliana Pataquiva, da Arepas Urbanika, produz as tradicionais arepas colombianas, uma espécie de pãozinho de milho branco com recheios diversos super saborosos, além de empanadas e outras delícias locais. Durante a quarentena, ela segue na ativa e os pedidos podem ser feitos pelo Whatsapp (11) 9 8551-9459 para retirada na loja, que fica na Rua França Pinto, 466, na Vila Mariana, ou ainda por IFood ou UberEats.

Acesse a lista completa de restaurantes do MigraMundo ou apenas navegue por lá para se aproximar e ficar por dentro da questão migratória.

 

Publicidade


Clara Caldeira
Quatro anos e meio à frente do conteúdo do Hypeness, após atuar por seis anos como editora no Catraca Livre, Clara Caldeira é jornalista com 15 anos de experiência em cultura, comportamento, cidadania, tendências e pesquisadora em comunicação, gênero, corpo e meio ambiente. Já participou de projetos de reportagens, documentários, branded content e formações diversas com ONGs, assessorias culturais e publicações digitais variadas.


X
Próxima notícia Hypeness:
Apenas 2% das mulheres negras empregadas ocupam cargos de diretoria, aponta pesquisa