Ciência

Como BH brecou Gripe Espanhola e se tornou inspiração para vencer coronavírus

por: Redação Hypeness

Experiência traumática para a humanidade no século XX, a gripe espanhola é sempre lembrada pelo caos que provocou por onde passou, incluindo no Brasil. Especialmente no momento em que a humanidade enfrenta uma nova pandemia, a do coronavírus, especialistas olham para o passado para buscar aprendizados com traumas anteriores. 

– Gripe espanhola: esnobada, pandemia parou o Rio, matou 50 milhões e o presidente

Muitas das lições sobre a gripe espanhola está aqui no Brasil. Mais precisamente, em Belo Horizonte, a capital de Minas Gerais

– ONU: consumo elevado de carne responde por 70% de novas doenças em humanos

Enquanto a então capital do país, o Rio de Janeiro, acumulou 15 mil das 35 mil mortes que houve por aqui, a gripe espanhola fez estragos menos catastróficos em BH. A jovem cidade mineira tinha 45 mil habitantes, dos quais um terço se contaminou. Porém as mortes não chegaram a 300. Se no Rio 1,65% dos moradores faleceram, em BH, essa taxa foi de 0,5%.

Mas como a capital mineira conseguiu conter os casos com tamanhos resultados? A jornalista Jessica Almeida, do Jornal O Tempo, recentemente pesquisou a história da cidade nesse período e fez uma thread muito interessante no Twitter, onde explica em detalhes a contenção de Belo Horizonte. 

– Coronavírus: simulador ajuda a entender progressão da pandemia no Brasil

Segundo Jessica, um grande diferencial foi o momento de decisão de medidas drásticas para a cidade. Aulas foram suspensas e o comércio fechado já com os primeiros casos confirmados, por decisão do então prefeito Vaz de Melo, em conjunto com o médico Samuel Libânio (que era o equivalente ao secretário de saúde). 

“Como prevenir a gripe: gargareje diariamente”, diz o quadro

“Os comerciantes ficam possessos, mas o prefeito não cede às pressões. Ele também manda desinfetar diariamente os novíssimos bondes elétricos, orgulho da cidade”, explicou a jornalista, lembrando o momento histórico na cidade. Ela continua: “Com essas providências, surge um novo problema: o que fazer com os pobres e os que ficariam desamparados sem trabalhar?”

– Coronavírus: Drauzio Varella exercita cidadania e ensina o jeito certo de lavar as mãos

Segundo Jessica, a Escola de Medicina – que depois se tornaria Faculdade de Medicina da UFMG – suspendeu as aulas e transformou suas dependências em um hospital com 120 leitos para atender os pobres, além de instalar postos de atendimento nas zonas suburbanas da cidade. 

A jornalista destacou ainda outra decisão importante em meio a pandemia: a Igreja Católica suspendeu atividades como missas e encontros, mas mobilizou suas associações para arrecadar e distribuir cestas básicas, montando diversos pontos de apoio pela cidade. Grupos de imigrantes como espanhóis e italianos fizeram o mesmo. 

Resumindo: solidariedade é tudo em momentos como esse, não é mesmo? 

Publicidade

Fotos: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
NASA detecta 150 objetos voadores não identificados orbitando a Terra