Ciência

Coronavírus é detectado por cientistas no ar e em casas próximas de hospitais, diz estudo

por: Yuri Ferreira

Um estudo publicado na revista Nature com base em amostras coletadas em hospital e regiões próximas a centros de saúde de Wuhan, primeiro epicentro da pandemia de covid-19, mostrou que partículas do novo coronavírus podem ficar em suspenso no ar por tempo indeterminado dentro de hospitais e podem se espalhar para casas vizinhas desses estabelecimentos.

As partículas de coronavírus no ar dos hospitais podem representar risco para profissionais de saúde. No entanto, ainda não se sabe o potencial de infecção da covid-19 em suspensão

Partículas em suspensão no ar foram encontradas em 2 hospitais públicos de Wuhan e nas regiões próximas a eles. O monitoramento ambiental captou pequenos índices do vírus. Segundo os cientistas, ainda não é possível compreender qual a capacidade de infecção do vírus em suspensão aérea. Situação preocupa especialmente pelo risco aos profissionais de saúde.

– Nova Zelândia diz que ‘eliminou’ coronavírus e se prepara para reabertura

Segundo os especialistas, por se tratar de uma pequena amostra, é impossível afirmar se é possível se infectar por essas partículas. No entanto, eles reforçam que essa evidência serve para demonstrar a importância de evitar aglomerações, manter boa ventilação e realizar um limpeza adequada de todos os ambientes possíveis.

– USP desenvolve rodo com radiação que mata vírus no chão de hospitais

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) está fazendo um monitoramento do Sars-Cov-2 no esgoto de cidades da região metropolitana do Rio de Janeiro. Segundo o centro de pesquisas, foram encontradas quantidades relevantes do vírus no esgoto de Niterói. A infectabilidade, entretanto, é provavelmente nula, especialmente pela sensibilidade do coronavírus à condições ambientais do esgoto.

A medida do nível de coronavírus no esgoto é advinda principalmente do fato de que o vírus foi encontrado nas fezes de pacientes. Além disso, o índice é importante para mensurar a quantidade de infectados em uma região, especialmente em cidades que tem esgoto tratado e saneado, como Niterói. Na capital do Rio de Janeiro, a situação é mais complexa devido ao baixo nível de acesso a saneamento básico que a maioria das regiões pobres da cidade maravilhosa tem.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Nova espécie de macaco descoberta existe há pelo menos 1 milhão de anos