Inspiração

Coronavírus: figurinistas de ‘Downton Abbey’ e ‘Star Wars’ produzem roupas para enfermeiros

Vitor Paiva - 22/04/2020

Se as necessidades no combate ao coronavírus por todo o mundo se centralizam em leitos, respiradores, medicamentos e mão-de-obra médica, outros utensílios paralelos mas não menos importantes, como máscaras e até mesmo vestuários, como roupas privativas ou sanitárias, utilizadas pelos médicos em atendimentos. No Reino Unido, os equipamentos de proteção para os médicos estão em falta severa, e para ajudar em tal quadro emergencial, as equipes de figurinistas das séries “Downton Abbey” e “His Dark Materials”, unida à equipe de “Star Wars”, vêm costurando milhares de scrubs médicos – pijamas, roupas sanitárias e outros uniformes – para os profissionais de saúde enfrentarem a pandemia.

Alguns dos uniformes produzidos pela iniciativa © Dulcie Scott

A força-tarefa se iniciou liderada por Dulcie Scott, premiada figurinista de “His Dark Materials” que anteriormente assinou o figurino de “Downton Abbey”, junto de sua equipe. Rapidamente, porém, a iniciativa ganhou a adesão de centenas de outros profissionais: equipes de “Star Wars”, “Batman”, “Guardiões da Galáxia”, “Cinderella” e “Sex Education”, entre outros, se uniram a diversos voluntários para acelerar e ampliar essa produção.

Dulcie produzindo as vestimentas médicas para o combate à Covid-19 © Reuters/Eddie Keogh

Atualmente a produção acontece em 30 diferentes pontos no Reino Unido, com cerca de 6.500 vestimentas produzidas até a última quarta-feira.

Outras frentes de produção © Reuters/Eddie Keogh

No final de março uma campanha de financiamento coletivo, para cobertura dos custos da produção, foi iniciada – que até a conclusão dessa reportagem havia levantado mais de 78 mil libras, equivalentes a cerca de 518 mil reais. Para Scott, a grande adesão dos profissionais se dá pela busca pelo sentimento comunitários e de pertencimento, fundamental em um momento de isolamento e pandemia. “Ninguém se sente seguro e todos se sentem vulneráveis”, diz Scott. “Mesmo que se sintam seguros, sempre terão uma pessoa amada sobre quem estão preocupados. Acho que isso ajuda as pessoas por saberem que estão fazendo algo positivo”, ela diz.

© Reuters/Eddie Keogh

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Escolas de samba: você sabe quais são as agremiações mais antigas do Brasil?