Debate

Coronavírus: mães com auxílio emergencial negado acusam ex-companheiros de fraude; entenda

por: Yuri Ferreira

Uma reportagem da Folha de São Paulo apontou que diversas mães solteiras que fizeram o pedido do Auxílio Emergencial, promovido pelo Governo Federal em parceria com a Caixa, tiveram suas solicitações negadas por supostas fraudes de seus ex-companheiros. Após semanas em análise, elas não conseguiram obter os R$ 1200 para cuidar dos filhs durante a vigência da pandemia do novo coronavírus.

Graças a supostas fraudes de ex-companheiros, mães estão perdendo acesso ao auxílio emergencial

Segundo os relatos, os ex-maridos destas mulheres colocaram os filhos como parte de sua organização familiar antes delas, confundindo o sistema e provocando entraves para a obtenção da renda emergencial. Homens com pensão atrasada inseriram sua prole no  núcleo familiar, os classificando como ‘pais solteiros’ e, graças à inconsistência no cadastro, estão deixando as mães sem renda.

– Coronavírus: metade das diaristas foram dispensadas sem pagamento, diz pesquisa

Uma das mulheres afirmou que o marido colocou o CPF dos filhos como dependentes após ter tido o auxílio negado. “Só que o dele também não havia sido aprovado. Então, sugeriu que eu colocasse dois filhos e ele, o outro, para ambos terem direito”. O ex-marido mentiu e registrou as três crianças em seu nome. “Há dois anos, eles moram só comigo. Ele não paga roupa, alimento, pensão, nada. E agora me impossibilitou de ter o auxílio”, revelou à Folha.

Pessoas se arriscam em banco para receber o auxílio

Outra mãe explicou que o marido acomodou o nome dos filhos na conta e acabou cortando o orçamento. A história é bastante parecida. “Fiquei indignada, ele mal ajuda, me deve duas pensões e fez isso. Fiquei com raiva, chorei, porque estou precisando, né?“, desabafou.

– Eduardo Suplicy: ‘O auxílio emergencial pode mostrar o caminho para um projeto universal’

A recessão econômica causada pelo coronavírus preocupa especialmente famílias mais pobres. O desemprego aumentou 1,3% no período e milhares de trabalhadores informais perderam seu acesso à renda. Mais de 30 milhões de brasileiros ainda aguardam a primeira parcela do auxílio, que deveria ter sido pago no início do mês de abril. Problemas técnicos com o aplicativo Caixa Tem e a superlotação de filas nas agências do banco estatal preocupam, tendo em vista que o Brasil, como confirmado hoje, tem a maior taxa de retransmissão de coronavírus no mundo.

Publicidade

Fotos: foto 1: Reprodução/foto 2: Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
A importância do movimento de mulheres na construção do SUS