Inspiração

Ela criou máscaras para surdos e vai distribuí-las de graça

03 • 04 • 2020 às 18:10
Atualizada em 06 • 04 • 2020 às 20:42
Yuri Ferreira
Yuri Ferreira   Redator É jornalista paulistano e quase-cientista político. É formado pela Escola de Jornalismo da Énois e conclui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo. Já publicou em veículos como The Guardian, The Intercept, UOL, Vice, Carta e hoje atua como redator aqui no Hypeness desde o ano de 2019. Também atua como produtor cultural, estuda programação e tem três gatos.

A quarentena provocada pelo coronavírus tem mostrado muitos reflexos de nossa sociedade que nunca havíamos para pensar. Desde a questão de flexibilização do espaço de trabalho, com milhões de pessoas trabalhando de suas casas, até questões econômicas como a renda básica emergencial. Além disso, a importância de profissionais de saúde e limpeza urbana se evidencia nesse momento, em que a maioria da população se mantém em caso e muitos se sacrificam pelo bem da sociedade. Mas uma parcela das pessoas pode ser invisibilizada. Os surdos, que dependem da linguagem de sinais e de leitura labial para estabelecer comunicação com as pessoas, não conseguiriam se comunicar em uma sociedade cheia de máscaras. Por isso, Ashley Lawrence, uma estudante americana do Estado de Kentucky está produzindo máscaras cirúrgicas com visão para a boca, permitindo que falantes de línguas de sinais possam se compreender e se proteger ao mesmo tempo.

– Idosa dá o exemplo, respeita quarentena e costura 1 mil máscaras para doação

Ashley Lawrence e sua mãe estão produzindo máscaras transparentes para que pessoas surdas possam se comunicar nos EUA

A estudante de comunicação entre pessoas surdas da Universidade do Estado de Kentucky de apenas 21 anos resolveu fazer as máscaras pensando na Língua Americana de Sinais (ASL), uma espécie de Língua Brasileira de Sinais utilizada nos EUA.

Como parte da gramática da ASL conta com expressões faciais, Ashley criou uma máscara com transparência, em que a boca da pessoa pode ser vista, o que também facilita a leitura labial. Ela vai distribuir gratuitamente as máscaras para diversos estados americanos. Depois de sua publicação no Facebook, surdos e familiares de seis estados americanos já haviam pedido o produto.

– Padre esquece de desativar filtro do Facebook e reza missa mais divertida da quarentena

“A ASL é muito focada em expressões faciais, e isso é parte da gramática. Então, mesmo se você não está conversando fisicamente, usando apenas a ASL, então você precisa desse tipo de acesso. Senti que era muito importante. Mesmo em um momento como o atual, as pessoas precisam ter essa comunicação”, disse Ashley à Lex18, subsidiária da CBS na região de Lexington, Kentucky.

Ela fez uma campanha no GoFundMe para comprar material suficiente para a produção, e, quando a campanha alcançou a meta atingida, Ashley proibiu novas doações. Até o momento, ela arrecadou 3.387 dólares. Ela também anunciou que irá publicar um tutorial no Youtube para que pessoas sejam capazes de fazer esse tipo de máscara em casa.

“Logo antes da pandemia as máscaras foram feitas e comercializadas para ajudar as pessoas com perda auditiva a terem acesso à boca do médico para leitura labiais. Então pensei, por que não fazê-las para todos?”, afirmou Ashley em seu Facebook.

 

Publicidade

Foto: Reprodução/Facebook


Canais Especiais Hypeness