Debate

EUA mostram vídeos de OVNIs gravados por militares; governo é acusado de desviar foco de pandemia

por: Kauê Vieira

Os Estados Unidos despertaram os temores e a curiosidade de muita gente com a divulgação de vídeos de objetos voadores não identificados. Sim, a administração de Donald Trump publicizou os registros de três vídeos de OVNIs sobrevoando o céu do país entre novembro de 2004 e janeiro de 2015. 

– Exército dos EUA confirma veracidade de vídeo com OVNI do Pentágono

Trump, que sugeriu a injeção de desinfetante, é acusado de desvio de foco

As imagens foram feitas por pilotos de caça da Marinha dos EUA, que passavam por treinamentos de rotina quando se deparam com objetos estranhos no céu. Os OVNIs foram vistos sobrevoando o Oceano Pacífico em uma altura de 15 metros. 

“Eles estão indo contra o vento. O vento está a 120 nós (222,24 km/h) para o oeste. Olhe aquela coisa, cara. Está rodando”, disse um dos militares, segundo informações da CBS News. 

– Dinossauros, OVNIs e atores globais na cidade gaúcha de São Gabriel

Nas imagens, os pilotos norte-americanos parecem surpresos com a velocidade hipersônica dos objetos, que voam sem asas ou motores. O porta-voz Joseph Gradisher ressalta, porém, que a Marinha não irá adotar a expressão OVNI para se referir aos objetos retratados em vídeo. 

Os vídeos foram divulgados pelo Pentágono

Desvio de foco do desinfetante?

O Pentágono declarou que os vídeos foram divulgados para verificar a autenticidade do conteúdos que circulam pelas redes há algum tempo e evitar especulações. A órgão, porém, não conseguiu dizer do que se trata. Setores da imprensa dos Estados Unidos, no entanto, afirmam que esta tática foi escolhida por Donald Trump para desviar o foco das críticas recebidas sobre a contenção da crise do novo coronavírus. 

– Nova Zelândia diz que ‘eliminou’ coronavírus e se prepara para reabertura

Deborah Birx não escondeu desconforto com falas de Trump

A situação nos Estados Unidos é grave e o país acumula mais de 1 milhão de pessoas infectadas e outras 56 mil mortas por covid-19 até o momento. Trump, que chegou a minimizar os efeitos da pandemia e disse que ela desapareceria em questão de dias, recebe críticas de todos os lados e vê sua reeleição ameaçada. 

A última do presidente republicado foi sugerir que norte-americanos injetassem desinfetantes para se proteger. Embora estivesse olhando para Deborah Birx, uma das coordenadoras da força-tarefa para combater o vírus, Trump disse que deu uma declaração irônica aos repórteres. 

“Eu vejo o caso dos desinfetantes. Eles podem agir em um minuto. Um minuto. Podemos fazer algo com isso, como uma injeção porque, veja, ele chega até o pulmão em grandes números”, disse ele que pediu que a possibilidade fosse checada. 

Mesmo assim, fabricantes de produtos de limpeza precisaram emitir alertas reafirmando a ineficácia e os riscos de ingerir desinfetante. Acontece que após a sugestão bizarra de Trump, os casos de pessoas infectadas por desinfetantes subiu. 

“Estes produtos possuem propriedades corrosivas que derretem ou destroem nosso corpo por dentro. Ninguém deve seguir as medidas ventiladas pelo presidente”, declarou à BBC o Dr. Jonathan Spicer, cirurgião torácico da Universidade McGill. 

Publicidade

Fotos: Getty Images/Reprodução


Kauê Vieira
Nascido na periferia da zona sul de São Paulo, Kauê Vieira é jornalista desde que se conhece por gente. Apaixonado pela profissão, acumula 10 anos de carreira, com destaque para passagens pela área de cultura. Foi coordenador de comunicação do Projeto Afreaka, idealizou duas edições de um festival promovendo encontros entre Brasil e África contemporânea, além de ter participado da produção de um livro paradidático sobre o ensino de África nas Escolas. Acumula ainda duas passagens pelo Portal Terra. Por fim, ao lado de suas funções no Hypeness, ministra um curso sobre mídia e representatividade e outras coisinhas mais.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
RJ tem ‘choppecídio’ com bares lotados e deboche. Cidade age como se coronavírus não existisse