Design

Fab Lab SP: publica tutoriais de fabricação e tecnologia que podem ser praticados em casa

por: Mari Dutra


Durante a pandemia, o Fab Lab Livre SP, rede de laboratórios públicos da Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia de São Paulo, propõe ocuparmos o tempo em casa de forma criativa. A rede tem usado o Instagram para publicar tutoriais de fabricação digital e tecnologia para melhorar nossas vidas.

Em março, uma das oficinas realizadas pela equipe focou na fabricação caseira de absorventes reutilizáveis (imagem abaixo). Foi a primeira iniciativa da campanha #FazendoEmCasa.

View this post on Instagram

#FazendoEmCasa Tutorial: Absorventes Reutilizáveis Por: @mariasdefabrica Bora aprender a fazer o próprio absorvente sem sair de casa, economizar e ainda ajudar o meio ambiente? Este é o primeiro de uma série de tutoriais que estamos preparando. Fique ligado nas redes do FAB LAB LIVRE SP e confira! MATERIAIS: I. régua, lápis e tesoura para a modelagem do absorvente; (Ou, se preferir, imprima a modelagem contida neste post) II. Retalhos de tecido de guarda-chuva (principalmente de reuso; Na foto, o tecido xadrez); retalhos de tecido de malha (por exemplo uma camiseta; Na foto, o tecido preto); retalhos de tecido de algodão (por exemplo, tricoline; Na foto, o tecido florido). III. Canetinha e giz de costura (ou caneta esferográfica); IV. Alfinetes, linha e agulha (ou máquina de costura); V. Colchete de pressão ou botão de 0,5 cm ou velcro; Sobre os materiais, ATENÇÃO: É importante que os tecidos de guarda-chuva e de algodão não sejam substituídos por outros, pois o primeiro impede o vazamento do absorvente, e o segundo permite que a pele respire mesmo em contato direto com o tecido. Mas você também pode inovar, reaproveitar e adaptar outros tipos de tecido como preferir: basta utilizá-los na costura da parte externa do absorvente. Você poderá produzir este absorvente com uma máquina de costura ou mesmo costurando à mão. Separe seus materiais e mãos à obra! MEDIDAS: Modelagem Corpo do Absorvente: 23,5cm largura X 18cm altura (meio ✝️) 7,5 cm largura X 18 cm altura (parte superior e inferior) Modelagem Reforço Retangular: 5,5cm X 19,5 cm Link para download do molde: https://bit.ly/Fazendoemcasa Ficou alguma dúvida? Manda pra gente! Na quinta-feira vai rolar uma live pra discutirmos e sanarmos as principais dúvidas que surgiram. Tente fazer em casa, poste o resultado e marque a gente! [passo a passo completo nos comentários…]

A post shared by FAB LAB LIVRE SP (@fablablivresp) on


Os absorventes reutilizáveis que seguem o modelo custam em média menos de R$ 2 por unidade e usam principalmente itens simples que temos em casa: tecido de guarda-chuva usado, toalhas, camisetas velhas. Apesar disso, a duração é a mesma de produtos similares que são comercializados, com uma expectativa de 3 a 5 anos de uso.

O ponto extra fica para o quesito ecologia, visto que os absorventes podem substituir os descartáveis, que geram grandes quantidades de lixo.

O segundo tutorial do projeto é focado na criação de uma bolsa de mão, reutilizando e ressignificando plásticos de embalagens. A técnica empregada na montagem é conhecida como “plástico precioso”.


A iniciativa mais recente envolve a criação de um carimbo usando rolhas, ou “rolhogravura”. A ideia é simples e pode inclusive ser adaptada para brincar com as crianças em casa.

View this post on Instagram

#FAZENDOEMCASA Tutorial: Rolhogravura: Tutorial da matriz Por @binarioarmada Vem com a gente estimular a criatividade através desse tutorial simples e muito legal que é um pontapé para essa técnica que pode evoluir e se tornar trabalhos incríveis. ATENÇÃO I. Sobre os estiletes é bem importante lembrar que os tamanhos ajudam no processo de corte. Os maiores ajudam a cortar as rolhas e os menores a fazer um corte mais fino e preciso das matrizes. II. As melhores rolhas de cortiça para se fazer as matrizes são as de “aglomerado de cortiça.” Caso você não tenha em casa, você poderá encontrar muitas dessas rolhas em casas de vinho. Geralmente eles descartam as rolhas e por isso é fácil pegar algumas no lugar. Em geral dá pra fazer de 2, ou 3 matrizes por rolha, dependendo de como você corta, ou do tamanho dela. Algumas rolhas podem não ser boas por conta de ressecarem muito, ou terem veios muito duros para alguns estiletes mais frágeis cortarem. No caso as rolhas maciças (cortiça inteira) e as técnicas (uma mistura entre a aglomerada e a maciça). III. Muito cuidado com a maneira que você vai cortar as rolhas. Nunca deixe o dedo na direção do fio do estilete, pois pode ocorrer um acidente. A forma mais adequada para cortar é sempre evitando cortar em direção aos dedos. Você pode se cortar bem feio dependendo do que estiver fazendo, pois as rolhas tem pedaços mais duros, dependendo da rolha que você estiver cortando. IV. Uso Caneta Bic porque de todas as canetas que eu usei, ela é a que mais tive facilidades de riscar as rolhas sem falhas. Este tutorial faz parte da programação #FAZENDOEMCASA. Fique ligado nas redes do FAB LAB LIVRE SP e confira os novos conteúdos que estamos preparando. Ficou alguma dúvida? Manda pra gente! Na próxima semana vai rolar uma live pra discutirmos e sanarmos as principais dúvidas que surgiram. Tente fazer em casa, poste o resultado e marque a gente! [passo a passo nos comentários]

A post shared by FAB LAB LIVRE SP (@fablablivresp) on


Além da publicação tos tutoriais, o #FazendoEmCasa envolve a realização de uma live na rede alguns dias depois para tirar dúvidas e manter o contato com a comunidade maker.

O Fab Lab Livre SP deve lançar novas ideias em breve, ajudando a manter a chama da criatividade acesa durante o período de isolamento social. Segue o @ lá no Instagram!

Publicidade

Foto em destaque: Reprodução Instagram


Mari Dutra
Criadora do Quase Nômade, contadora de histórias, minimalista e confusa por natureza, com os dois pés (e um pet) no mundo. Chega mais perto no Instagram.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Novo normal: designer sugere solução para jantar fora de casa pós-pandemia