Arte

Lee Muller: modelo, artista surrealista e correspondente de guerra desafiou costumes nos anos 1920

por: Redação Hypeness

Na década de 1920, o modernismo encontrou seu par quando o surrealismo entrou em cena. Com foco na experimentação, o surrealismo atraiu os artistas da arte moderna, com Salvador Dalí e André Breton na vanguarda. Enquanto a maioria dessas figuras pioneiras continuaria forçando as fronteiras do movimento pela duração de suas carreiras, a modelo que virou fotógrafa Lee Miller fez história quando aproveitou suas experiências anteriores para uma nova busca profissional: a documentação de guerra.

Lee Miller na França, em 1944 © Lee Miller Archives

Lee Miller na França, em 1944 © Lee Miller Archives

Como correspondente de guerra, Miller viu – e fotografou habilmente – as realidades da Segunda Guerra Mundial, desde os horrores dos campos de concentração nazistas até a Libertação de Paris. Embora se possa perguntar como uma mulher americana com experiência em arte experimental se viu na linha de frente na Europa, a jornada de Miller foi marcada por reviravoltas, culminando em uma carreira única e adequada para um surrealista.

Em 23 de abril de 1907, Elizabeth “Lee” Miller nasceu em Poughkeepsie, Nova York. Com um pai fotógrafo amador, Miller teve contato com a criatividade desde o berço. Aos 18 anos, ela buscou cursos de iluminação, figurino e design em Paris e estudar arte em Manhattan apenas um ano depois. Mesmo com planos de ficar em Nova York para aprimorar seu ofício, os planos de Miller mudaram quando ela teve uma nova oportunidade – literalmente.

De acordo com Phillip Prodger em “Man Ray | Lee Miller: Parceiros do surrealismo”, a agitação da vida na cidade inesperadamente transformou Miller em modelo. Segundo a publicação, ela foi “famosa por ser descoberta quando Condé Nast a resgatou de ser atropelada na rua”. Capa de muitas edições da Vogue antes dos 20 anos, Miller redirecionou rapidamente suas aspirações artísticas.

Depois de dois anos atuando como a modelo mais procurada da cidade, Miller foi a primeira mulher a posar numa campanha de produtos de higiene menstrual e ela foi alvo de um escândalo sexista. Assim, deixou o mundo da moda e novamente mudou de direção – desta vez com foco na fotografia.

Fotografia Surrealista

Em 1929, Miller voltou à arte, continuando sua educação como estudante na Art Students League de Nova York. Enquanto estudava arte renascentista – um gênero do qual a jovem de 22 anos se cansou rapidamente – na Itália, ela tomou a decisão importante de buscar uma forma de arte mais moderna: a fotografia.

Aproveitando sua proximidade com Paris – o centro do modernismo e a casa dos surrealistas – ela embarcou em um trem para a capital e dirigiu-se ao estúdio de Man Ray, que ela esperava concordar em orientá-la.

Infelizmente, ninguém atendeu a porta. Derrotada, Miller foi ao Bateau Ivre, um bar próximo – e local do encontro que mudou sua vida. Em uma entrevista em 1975, ela explica que estava “afogando suas mágoas” quando Man Ray apareceu no local. Ele disse que não tinha alunos e que estava partindo para Biarritz no dia seguinte. Então Miller disse: “Eu também”.

Man Ray, Los Angeles, EUA 1946 por Lee Miller © Lee Miller Archives

O relacionamento que se seguiu entre Miller e Man Ray foi igualmente profissional e romântico. Eles trabalharam juntos em projetos de fotografia, com Miller frequentemente modelando as composições de vanguarda que planejavam juntos. Embora seu papel principal nessas fotos tenha levado a um legado amplamente focado em seu papel de “musa”, ela deu seu peso à parceria.

De fato, muitas das fotos comerciais atribuídas a Man Ray – principalmente de 1920 a 1940, quando ele produziu fotografias de moda para Vanity Fair, French Vogue e Harper’s Bazaar -, eram na verdade o trabalho de Miller e o uso da solarização – uma técnica tonal central para a obra de Man Ray, que teria sido ideia dela. Obviamente, como professor, Man Ray ajudou Miller a melhorar sua técnica e aperfeiçoar seus processos. “Embora Ray tenha dezessete anos mais velho que Miller”, diz Prodger, “durante os anos críticos de sua parceria, sua influência foi mútua”.

Autoretrato Lee Miller © Lee Miller Archives

Em 1930, Miller montou um estúdio em Paris, onde criou seu próprio portfólio surrealista, caracterizado pelo interesse no absurdo do mundo real. Dois anos depois, no entanto, ela e Man Ray terminaram. Após o fim do relacionamento, Miller voltou para a cidade de Nova York. Man Ray, por outro lado, permaneceu em Paris, onde lamentou o relacionamento por meio de esculturas simbólicas e pinturas pungentes nos anos seguintes.

De volta a Nova York, Miller se restabeleceu. Ela rapidamente montou um estúdio de fotografia comercial de sucesso e viu seu trabalho chegando a exposições, incluindo sua primeira mostra solo, ela não ficou muito tempo na Big Apple. Em 1934, ela se mudou para o Egito, onde se casou com o empresário e engenheiro Aziz Eloui Bey. Em 1937, no entanto, ela voltou a Paris, onde conheceu Roland Penrose, o homem com quem se casaria uma década depois.

Roland Penrose e Lee Miller, Sedona, Arizona, USA 1946 fotógrafo desconhecido © Lee Miller Archives

Correspondente de guerra

No início da Segunda Guerra Mundial, Miller estava morando com Penrose em Londres. “Desafiando as ordens da Embaixada dos EUA para retornar à América”, como explica o espólio da artista, “ela conseguiu um emprego como fotógrafa freelancer na Vogue” tornando-se a correspondente oficial de guerra da revista.

© Lee Miller Archives

Seu trabalho como fotógrafa de guerra começou com o Blitz e, pelos anos seguintes – oficialmente credenciada pelo Exército dos EUA -, ela capturou eventos importantes como o primeiro uso de Napalm (conjunto de líquidos inflamáveis utilizados como armamento militar) e a Batalha da Alsácia. Ela também documentou as atrocidades do Holocausto, incluindo uma imagem de Bergen-Belsen, campo de concentração nazista, como um meio de revelar as realidades da guerra ao mundo exterior.

França 1944 por Lee Miller © Lee Miller Archives

“Teria sido incrivelmente fácil para ela desaparecer na América e deixar a guerra de fora”, Penrose explicou, “Mas ela não fez. Eu acho que ela queria ficar e tentar fazer alguma coisa. E ninguém ia lhe dar uma arma ou um avião, ou algo útil assim – então ela usou sua câmera”.

Seu trabalho mais conhecido como correspondente de guerra, no entanto, ocorreu em 1945. Horas após o suicídio de Adolf Hitler, ela e o correspondente da Life, David E. Scherman entraram em seu apartamento e realizaram uma sessão de fotos angustiante na banheira do nazista. “Eu tinha o endereço dele no meu bolso há anos”, explicou ela, sem fazer muito alarde.

Sim, ela fez uma sessão de fotos na banheira do Hitler

Após a guerra, Miller voltou para a Inglaterra. Infelizmente, como inúmeras outras pessoas na linha de frente durante a Segunda Guerra Mundial, ela foi diagnosticada com depressão clínica e sofria de transtorno de estresse pós-traumático – o que provavelmente contribuiu para sua decisão de abandonar a fotografia para uma carreira em gastronomia.

Lee Miller, Farleys Garden, 1960 por Roland Penrose ©️ Lee Miller Archives

Em 1949, ela e Penrose compraram a Farley Farmhouse, uma casa em East Sussex, Inglaterra. Hoje, o lugar serve como um museu dedicado ao casal, ao trabalho e a coleção modernista que eles acumularam ao longo de 35 anos. Com peças de Pablo Picasso, Joan Miró e até Man Ray, essas coleções certamente impressionam, mas é o legado de Miller que faz desta fazenda um local especial para os fãs de moda, arte e fotojornalismo.

Publicidade

Imagens: © Lee Miller Archives


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Beyoncé é acusada por Lilia Schwarcz de ‘glamorizar negritude’ em texto cheio de equívocos