Inspiração

Mulheres trans se mobilizam para alimentar pessoas em situação de rua

por: Karol Gomes

Solidariedade é uma das palavras mais importantes nesses tempos de quarentena e isolamento social, principalmente considerando a maneira com que a pandemia de coronavírus está afetando a economia mundialmente.

Pensando nisso, uma comunidade de mulheres trans em Toluca, no México, abriu um ‘refeitório comunitário’ improvisado para alimentar pessoas de baixa renda e em situação de rua na cidade e os distritos vizinhos, Metepec e Lerma.

– Ela fez um apelo para a mãe conseguir vender seu primeiro bolo na quarentena

Segundo Tanya Vega, fundadora da comunidade Las Famosas de Toluca, o refeitório está aberto para pessoas em situação de rua, famílias de baixa renda, pessoas vítima de violência, idosos e desempregados.

– Astronauta com 1 ano de experiência no espaço dá dicas para quarentena

A iniciativa busca oferecer ajuda especialmente à população marginalizada, muitas vezes invisível aos olhos do Estado, distantes da assistência social – características que, infelizmente, ainda estão de acordo com a vivência da maioria da população trans no mundo.

Em meio à pandemia de Covid-19, as voluntárias se protegem com máscaras, luvas e também distribuem álcool em gel.

– Rita Lee diz ser ‘o vírus do amor’ em vídeo lindo contra o coronavírus

A campanha tem subsistido de associações civis e vizinhos, graças a doações de toda a comunidade, Vega e suas parceiras preparam dezenas de refeições durante o dia, que são distribuídas gratuitamente nas cidades mexicanas.

As Las Famosas de Toluca esperam receber futuramente auxílio do governo federal do México, de modo a expandir suas refeições para além da região.

Publicidade

Fotos: Reprodução / Facebook


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.


X
Próxima notícia Hypeness:
Canal de Suez responde por mais de 10% do comércio mundial atual, mas sua história tem 4 mil anos