Sustentabilidade

Museu online do plástico ‘perdido’ nos oceanos lembra que falhamos enquanto humanidade

por: Mari Dutra


Em 1997, um contêiner com milhões de peças de Lego caiu do navio Tokio Express na costa inglesa. Até hoje, peças de plástico são encontradas nas praias de Cornwall, no sudoeste da Inglaterra. Estas relíquias são recolhidas com cuidado por Tracey Williams e suas fotografias são compartilhadas nas redes sociais pelos perfis do Twitter e Instagram “Lego Lost At Sea” (“Lego Perdido no Mar“, em inglês).

As fotografias incluem diversas imagens de resíduos plásticos encontrados na praia. Muitos deles são provenientes do contêiner do Tokio Express, enquanto outros são apenas um lembrete da natureza de que o plástico descartado incorretamente sempre acaba nos oceanos.


As publicações começaram em 2014 e, desde então, o material coletado está sendo usado para escrever um livro, segundo descreve o perfil no Twitter responsável pelas imagens.

Enquanto o lançamento não chega, podemos acompanhar alguns destes “artefatos do antropoceno” que chegam a cada dia nas praias inglesas para nos lembrar sobre o quanto falhamos como humanidade.

O que começou como uma reunião de Legos encontrados nas praias se tornou um projeto muito maior. Hoje, Tracey se dedica a traçar outros vazamentos de navios que acabaram no mar.

“Pessoas entraram em contato conosco sobre vazamentos de tênis da Nike. Cartuchos Hewlett-Packard, todos com o mesmo número de lote. A Hewlett-Packard não divulgou exatamente onde ocorreu o derramamento, mas chegaram à Flórida, Bermudas, Noruega…”, disse em entrevista ao The Guardian.

Com a ajuda de oceanógrafos e apoio de universidades, ela passou a pesquisar o clima e a persistência do plástico em ambientes marinhos. Graças a esse conhecimento, passou a catalogar as descobertas em grades classificadas por cores, seguindo uma taxonomia peculiar.

Alguns de seus achados possuem cerca de 70 anos e seguem em perfeito estado.

Plástico nos oceanos

Organizadas por cores e tamanhos, as imagens parecem resíduos inocentes encontrados no mar. Entretanto, o plástico nos oceanos é uma das grandes ameaças para a vida marinha.

Animais costumam confundir os resíduos com alimentos e ingerem plástico inadvertidamente ou são sufocados por sacolas e outros objetos. Muitos morrem em decorrência desta prática, como uma baleia que foi encontrada morta em dezembro com 100 kg de plástico no estômago.

Tracey estima que cerca de 70% do plástico afunda nos oceanos. Isso indica que os resíduos coletados pela pesquisadora são apenas a ponta de um iceberg que não para de crescer.

Veja mais imagens de Legos perdidos nas praias




 

View this post on Instagram

 

A post shared by Lego Lost At Sea (@legolostatsea) on

View this post on Instagram

All kinds of everything remind me of you.

A post shared by Lego Lost At Sea (@legolostatsea) on



Leia também: Patinhos de plástico vagando nos oceanos 26 anos após acidente alertam sobre poluição

Publicidade

Todas as fotos: Tracey Williams/Lego Lost At Sea


Mari Dutra
Criadora do Quase Nômade, contadora de histórias, minimalista e confusa por natureza, com os dois pés (e um pet) no mundo. Chega mais perto no Instagram.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Xuxa divulga vídeo mostrando maus-tratos contra porcos em granja; veja